FOGO AMIGO - 17/07/2017 - 18:30

Almeida Lima diz que encontrou Secretaria de Saúde em “frangalhos”

Almeida Lima / Foto: Divulgação

 

O secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, disse hoje (17) que quando assumiu a pasta, há cinco meses, a encontrou em “frangalhos”. A autodefesa veleada acontece em resposta às críticas da sociedade sergipana quanto à falta de medicamentos e materiais primários, como agulha, no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), o maior do estado, além da eterna ineficiência do Centro de Oncologia.

De acordo com Almeida, na gestão de sua antecessora, a enfermeira Conceição Mendonça, a Saúde estava “desorganizada” e que só agora, por sua intervenção, já conseguiu R$20 milhões para a compra de medicamentos e insumos.

“O problema da quimioterapia acontece em todo o país. Ao assumir a SES, a falta de medicamentos era generalizada. Hoje, se há falta, é um problema pontual. Nós estamos homologando licitações para insumos e medicamentos na ordem de R$20 milhões, em caráter emergencial, e estabelecendo essa regularidade no fornecimento. O que acontece é a desorganização que nós encontramos. É preciso que se diga e se conheça”, afirmou ele.

Almeida apontou o dedo ainda para problemas no almoxarifado. “Quando nós chegamos na SES, o almoxarifado central e o almoxarifado do Huse não tinham um programa de computador. Ninguém controla 10 mil itens pelo Word ou planilha Excel. É preciso de um software moderno, por isso que estamos aparelhando o sistema exatamente para ter o controle efetivo de tudo isso”.