ALTA - 06/12/2017 - 15:30

Aracaju tem a terceira cesta básica mais cara do Nordeste

Foto: Divulgação

Da redação AJN1

No último mês de novembro, o preço da cesta básica de Aracaju apresentou elevação de 0,21%, de acordo com análise do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Na prática, os aracajuanos tiveram que desembolsar R$ 341,09 para levar o conjunto de alimentos perecíveis para casa.

Mesmo com a elevação, a capital sergipana desceu um degrau em comparação com o mês de outubro e está em terceiro lugar entre as capitais do Nordeste onde o preço é mais salgado, só perde o posto para Maceió-AL (R$ 347,77) e Fortaleza-CE (R$363,92). A nível nacional, Aracaju está na 16ª posição.

Quedas

Na contramão de Aracaju, houve queda em 17 cidades onde o Dieese realiza mensalmente a Pesquisa. As maiores baixas ocorreram no Rio de Janeiro (3,25%), Belém (2,26%) e Brasília (2,12%).

Maior X Menor

Porto Alegre foi a cidade com a cesta mais cara (R$ 444,16), seguida por São Paulo (R$ 423,23) e Florianópolis (R$ 415,00). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 315,98), João Pessoa (R$ 324,90) e Recife (R$ 327,85).

Acumulado do ano

Em 12 meses, o valor da cesta apresentou redução em todas as cidades pesquisadas. As taxas negativas variaram entre -14,43%, em Campo Grande, e -5,30%, em Porto Alegre. Em Aracaju, a variação no ano ficou em -7,44.

Salário Mínimo

Levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e da família dele com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário.

Em novembro de 2017, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.731,39, ou 3,98 vezes o mínimo de R$ 937,00. Em outubro de 2017, o piso mínimo necessário correspondeu a R$ 3.754,16, ou 4,01 vezes o mínimo vigente.

Em novembro de 2016, o salário mínimo necessário foi de R$ 3.940,41 ou 4,48 vezes o piso em vigor, que equivalia a R$ 880,00.