BAIXA - 06/07/2018 - 18:13

Balança comercial sergipana fecha mês de junho com déficit de US$ 4,57 milhões

Foto: Arquivo/Joângelo Custódio

Da redação, Joângelo Custódio

A balança comercial sergipana fechou o mês de junho com déficit de US$ 4,57 milhões. Comparado com o mesmo período do ano passado, o déficit foi de quase US$ 2,0 milhões. No acumulado do ano, as importações (US$ 69,9 milhões) superaram as exportações (US$ 42,2 milhões), resultando em um déficit de aproximadamente US$ 27,7 milhões. Na comparação anual, ocorreu acréscimo nas exportações (3,9%) e importações (42,3%). As informações são do Radar do Comércio Exterior de Sergipe, que tem como base os dados divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

De acordo com o estudo, em junho, as exportações foram impulsionadas, sobretudo, pelos setores de fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos e de produtos alimentícios; já as importações, pela indústria de máquinas, aparelhos e materiais elétricos.

PRODUTOS

Em junho, os principais produtos exportados foram ‘aquecedores elétricos de água, incluindo os de imersão’ (18,7%) e ‘suco (sumo) de laranja, não fermentados, sem adição de álcool, com ou sem adição de açúcar ou de outros edulcorantes, congelado’ (16,0%). No tocante às importações, destacaram-se ‘tubo rígido, de outros plásticos’ (10,8%) e ‘partes de guindastes, outras máquinas e aparelhos de carga/descarga’ (9,2%).

No acumulado do ano, os principais produtos exportados foram suco de laranja congelado (53,9%), calçados (6,4%) e outras preparações alimentícias (5,8%). Por sua vez, os importados foram diidrogeno-ortofosfato de amônio (8,9%), outros trigos e misturas de trigo com centeio (7,5%) e coque de petróleo não calcinado (5,7%).

HOLANDA

A Holanda é o maior comprador de produtos sergipanos, com uma participação de 42,8% no acumulado do ano. Em março, por exemplo, o país respondeu por mais da metade das exportações sergipanas, com 56,8%.

ANÁLISE

A AJN1 procurou a Diretora de Pesquisa, Estudos e Análises do Observatório de Sergipe, Michele Dória, para explicar como a análise é realizada. “A fonte dos dados é o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). O Observatório de Sergipe faz um recorte dos dados divulgados pelo Ministério para Sergipe e os analisa. Temos todo um banco de dados com as informações mensais, o que permite fazer um comparativo com os meses e anos anteriores.”

| Michelle Dória | Foto: Seplag

Segundo ela, os produtos industrializados são os maiores responsáveis pelas exportações. “De janeiro a junho deste ano, por exemplo, os itens industrializados responderam por 99,3% do total dos produtos comprados pelo mercado externo. Todavia, nada impede que os produtos industrializados sejam processados por lá”.

Conforme explica Michele, um dos fatores que influenciam o crescimento da economia são as transações comerciais com o exterior, ou seja, a balança comercial. “Saldos superavitários, que ocorrem quando as exportações superam as importações, movimentam a economia e afetam positivamente o Produto Interno Bruto (PIB0”.

Embora a balança comercial tenha um peso pequeno na economia sergipana, continua ela, quando o estado exporta e apresenta saldo positivo, assegura o fluxo de investimento, criação de emprego, gera consumo entre outros, ou seja, seu desempenho influencia as maiores contribuições do PIB: o consumo e o investimento.

Michele destaca a importância do Observatório de Sergipe para os estudos da economia sergipana. “É a principal instância de consolidação e difusão de dados e de informações socioeconômicas no Governo. Isso quer dizer que ele é o órgão oficial de divulgação de dados estatísticos do estado de Sergipe. Seu papel é subsidiar o trabalho de pesquisadores e interessados em conhecer a realidade socioeconômica do estado, como também contribuir para a formulação de políticas públicas que promovam uma melhor qualidade de vida para os cidadãos sergipanos”.

ANUÁRIO ESTATÍSTICO

Por fim, a diretora diz que um dos trabalhos mais completos em termos de dados, por exemplo, é o Anuário Estatístico de Sergipe, publicado em junho deste ano. “Ele reúne mais de 200 indicadores que contemplam os dados mais recentes divulgados por instituições públicas e privadas de Sergipe e do Brasil. Vale destacar também outros trabalhos importantes, como: PIB Estadual e dos Municípios, Panorama da Agricultura Sergipana, Panorama da Pecuária Sergipana, Radar do Emprego e Radar do Comércio Exterior”.