REPULSA - 10/08/2018 - 08:22

Comerciante é preso acusado de abusar sexualmente da filha de dez anos

Foto: Arquivo

 

Da redação, AJN1

Um comerciante de 41 anos foi preso na cidade de Itabaiana acusado de abusar sexualmente da filha de dez anos. O crime, que ocorreu há dois meses, vinha sendo investigado pela equipe da Delegacia de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) da Regional de Itabaiana. O acusado, que chegou a se passar por uma criança para trocar mensagens através de um aplicativo, estava com preventiva decretada pela justiça, Ele nega a autoria do estupro, mas as provas levantadas não deixam dúvidas sobre o ocorrido.

Segundo relato da vítima a polícia, o acusado teria praticado o abuso enquanto ela estava dormindo. O pai da menina também teria se passado por uma criança para conversar com ela através de um aplicativo de mensagens, na tentativa de convencê-la a manter relações sexuais com ele. Além disso, ele conseguiu fazer com que a criança enviasse fotos íntimas através do aplicativo.

Pelo que ficou esclarecido pela equipe da delegada Josefa Valéria Nascimento Andrade, a intenção do comerciante era usar as fotos para que a denúncia da filha caísse no descredito da família. No entanto, a companheira do acusado levou o caso ao conhecimento da polícia. Durante as investigações ficou comprovado que a linha telefônica usada para troca de mensagens entre a suposta criança e a vítima estava em nome do comerciante.

O acusado teve a preventiva decretada e foi capturado nesta quinta-feira. Em seu depoimento, ele negou envolvimento no crime. Ele vai responder pelo crime de estupro de vulnerável, cuja pena chega a 15 anos de reclusão.

A delegada Josefa Valéria ressalta que é importante que vítimas ou testemunhas de crimes sexuais, que na maioria dos casos são praticados por pessoas próximas, a exemplo de padrasto, pai, tio ou vizinho, não se intimidem e procurem a polícia para denunciar, seja comparecendo a uma delegacia ou através do número 181. Ela lembra que, além da punição para o agressor, a vítima tem acompanhamento por uma rede de atendimento médico, social e psicológico fundamental para garantir a integridade.