CRISE - 09/01/2019 - 17:00

Governo discute segurança hídrica do Estado

Fotos: Marcos Rodrigues/ASN

Da redação, AJN1

O governador Belivaldo Chagas (PSD) esteve reunido na manhã desta quarta-feira (9) com a cúpula que compõe a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurb) com o objetivo de discutir medidas para garantir a segurança hídrica no Estado, já que os reservatórios de água encontram-se em estado de calamidade e mais de 20 municípios já decretaram situação de emergência em virtude da seca.

Um dos exemplos onde a gestão da água precisa ser mais efetiva é no município de Malhador, onde mais de 100 agricultores irrigantes utilizam pequenas barragens para irrigar suas plantações às margens dos rios Mata Verde e Cajueiro dos Veados. A Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) também gerencia uma barragem na região que está completamente obsoleta. Em dias de crise, quando os riachos não conseguem abastecer os reservatórios, há rodízios na cidade.

“Esses meus primeiros 90 dias de trabalho serão para arrumar a casa e incluo a realização de um novo organograma da Sedurb. Com isso, pretendemos otimizar as ações realizadas, avaliar, pensar e planejar junto aos competentes técnicos que atuam conosco. Também pretendo sentar com a equipe da Deso e da Cohidro para pensar sobre o que queremos sobre cada uma delas e para organizar melhor o mecanismo de trabalho, que deverá resultar numa gestão de recursos hídricos eficaz. Iremos avaliar as questões mais urgentes, onde podemos investir, como podemos conseguir parcerias e verbas para tornar cada vez a questão dos recursos hídricos mais segura e eficiente no estado”, destacou o governador.

Para o coordenador da Câmara Técnica de Articulação Institucional do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Ailton Rocha e ex-superintendente de Recursos Hídricos de Sergipe, Ailton Rocha, o estudo traz um raio X da água em Sergipe e identifica as áreas onde o governo deve atuar de forma prioritária para que futuramente, não precisemos, por exemplo, viver uma situação de desabastecimento.

“Então, o objetivo do estudo foi demostrar o cenário de segurança hídrica do estado, que no momento se demonstra bastante preocupante, provocado principalmente pela seca prolongada, desmatamento, desperdício e poluição. Ao mesmo tempo, sinalizar com soluções, a exemplo da necessidade de fazer gestão plena dos reservatórios, de implementar o produtor de água, de se fazer o fortalecimento institucional para se fazer a gestão dentro do escopo, que vai desde o monitoramento até a fiscalização, para que a gente possa garantir esta água dentro de um horizonte de curto, médio e longo prazo”, explicou.