INVESTIGAÇÃO - 18/05/2017 - 15:08

PC desarticula quadrilha responsável por lesar mais de 500

Foto: Arquivo

Da redação, AJN1

Após sete meses de investigações, a Delegacia de Defraudações e Combate à Pirataria deflagrou na tarde de ontem (17), a operação ‘Universidade do Crime’, que resultou na prisão de Bruno de Oliveira Silva Cardoso, 26 anos; e Daniel Gonçalves dos Santos, 27 anos, acusados dos crimes de estelionato e associação criminosa contra mais de 500 vítimas.

Segundo a delegada Rosana Freitas, o grupo criou duas empresas: a Universidade Corporativa e Instituto Focus, que atuavam no ramo de cursos profissionalizantes, ofertavam falsas vagas de emprego para atrair jovens de baixa renda, os quais eram induzidos a pagar quantias acima de R$1 mil por um curso com duração média de um ano e aulas de apenas duas horas semanais. Antes da concretização dos cursos e após antecipação dos pagamentos feitos em cartão de crédito, os proprietários das empresas fechavam as portas e desapareciam.

Ainda de acordo com a delegada, as empresas foram fechadas pelo então proprietário identificado como Rogério Santos Basílio, que fugiu levando todo o dinheiro arrecadado e deixando alunos e funcionários no prejuízo.

Durante a apuração das informações, conta a delegada, foi constatado que assim que os jovens chegavam nas empresas, realizavam uma suposta avaliação na qual nenhum dos participantes era aprovado, então, eles eram orientados a realizar o curso sempre com a promessa de que durante o treinamento seriam empregados.

“Nesse momento, muitos responsáveis relataram em depoimento que foram enganados durante a celebração do contrato, onde eram informados que o curso tinha um determinado valor e logo depois descobriam que o valor real era muito acima do estipulado inicialmente e que o mesmo já havia sido passado no cartão de crédito”, esclareceu Rosana.

Também existem suspeitas de que as empresas promoviam clonagens de cartões de crédito e registros de que o mesmo golpe vinha sendo praticado por integrantes do grupo em outras Capitais, a exemplo de Recife e Natal.

Daniel Gonçalves é proprietário da empresa Projeto Jovem Trabalhador (Projotra), situada no Centro de Aracaju, local onde ocorreu a prisão da dupla e foram realizadas buscas destinadas à apreensão de objetos e documentos ligados aos crimes investigados.

Com informações da SSP