PERIGO? - 15/04/2019 - 16:46

Sergipe tem 15 municípios com água contaminada por agrotóxicos, diz estudo

Foto: Internet | Autor desconhecido

Da redação, AJN1

Um estudo divulgado nesta segunda-feira (15), pelo portal Repórter Brasil, Agência Pública e a organização suíça Public Eye, com base em dados do Ministério da Saúde (MS), revela que Sergipe tem 15 municípios com rede de abastecimento de água contaminada por 27 tipos de agrotóxicos, que podem causar doenças graves, a exemplo de câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas. As informações também são parte do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), que reúne os resultados de testes feitos pelas empresas de abastecimento.

O “coquetel” que mistura diferentes agrotóxicos foi encontrado na água de 1 em cada 4 cidades do Brasil entre 2014 e 2017, totalizando mais de 1300 cidades. Em Sergipe, foi encontrado agrotóxico na rede de abastecimento dos municípios de Poço Verde, Lagarto, Boquim, Salgado, Itaporanga da Ajuda, Santo Amaro das Brotas, Rosário do Catete, Siriri, Ribeirópolis, Itabaiana, Japaratuba, Muribeca, Pacatuba, Neópolis, Propriá.

De acordo com o estudo investigativo, os números revelam que a contaminação da água está aumentando a passos largos. Isso porque em 2014, 75% dos testes detectaram agrotóxicos. Subiu para 84% em 2015 e foi para 88% em 2016, chegando a 92% em 2017.

A publicação afirma que, embora se trate de informação pública, os testes não são divulgados de forma compreensível para a população, deixando os brasileiros no escuro sobre os riscos que correm ao beber um copo d’água. Em um esforço conjunto, a Repórter Brasil, a Agência Pública e a organização suíça Public Eye fizeram um mapa interativo com os agrotóxicos encontrados em cada cidade. O mapa revela ainda quais estão acima do limite de segurança de acordo com a lei do Brasil e pela regulação europeia, onde fica a Public Eye.

O estudo afirma ainda que a falta de monitoramento também é um problema grave. Dos 5.570 municípios brasileiros, 2.931 não realizaram testes na sua água entre 2014 e 2017.

De quem é a culpa?

O Ministério da Saúde, conforme a publicação, diz que a vigilância sanitária dos municípios e dos estados deve dar o alerta aos prestadores de serviços de abastecimento de água para que tomem as providências de melhoria no tratamento da água.

A reportagem procurou o coordenador da Vigilância Sanitária de Sergipe, Ávio Brito, o qual classificou o estudo como “irresponsável”.

“Desconheço essa pesquisa. Nós temos um trabalho de fazer as análises das águas em todos os municípios. É novidade para mim essa informação. Se for água encanada, não pode estar contaminada por agrotóxicos, porque a Deso faz testes obrigatórios e nos mandam mensalmente as análises de todos os mananciais. A Vigilância Sanitária de Sergipe desconhece o estudo. Não posso compactuar com esse tipo de estudo. Acredito que o Ministério da Saúde não iria dar um laudo como esse. Se fosse verdade, o Estado, certamente, já teria se mobilizado. Afirmar que Sergipe tem 15 municípios com contaminação de água por agrotóxicos sem consultar a Deso e a Vigilância eu acho que esse pessoal que fez a pesquisa está chutando. Eu não acredito nesta análise, é uma análise irresponsável porque não mostrou esse estudo às autoridades sanitárias e tampouco a Deso”, rebate ele.

A AJN1 também procurou as assessorias de Comunicação da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) – que abastece 90% das residências dos sergipanos -, da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) e da Superintendência de Meio Ambiente e de Recursos Hídricos para falar sobre o assunto, mas elas informaram que iriam averiguar a informação antes de comentar o assunto.

Leia a reportagem na íntegra aqui.