ELEIÇÕES 2018 - 07/10/2018 - 06:00

TRE-SE coloca à disposição 6.796 urnas eletrônicas entre ativas e reservas para pleito de hoje

Foto: TSE

Da redação, Joângelo Custódio

As eleições gerais acontecem neste domingo, 7 de outubro, e mais de 1,5 milhão de sergipanos sairão de suas casas para exercer a cidadania e revigorar a democracia. Para que o pleito deste ano aconteça dentro da normalidade, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE) colocou à disposição dos eleitores 6.796 mil urnas eletrônicas, sendo 5.172 ativas; 1.624 reservas; e 35 de uso exclusivo para receber justificativa. Somente em Aracaju, são 1.408 urnas.

Estão escalados para trabalhar 28 mil pessoas, entre juízes eleitorais, promotores, servidores da Justiça Eleitoral, mesários, escrutinadores, apoio logístico, motorista e demais pessoal de apoio.

Em entrevista ao portal AJN1, o secretário de Tecnologia da Informação do TRE-SE, José Carvalho Peixoto explica que, caso alguma urna possa quebrar ou o sistema travar, o processo de substituição será rápido.

“A logística montada pelas Zonas Eleitorais é no sentido de que o atendimento seja o mais rápido possível, haja vista que nestas eleições o número de votos é bastante considerável e, por este motivo, acreditamos que o ritmo de votação nas seções eleitorais seja um pouco mais lento, considerando a eleição anterior que foi municipal. As zonas Eleitorais estão com um número maior de convocados para a realização de procedimentos nos locais de votação”, afirma.

Sobre a possibilidade de usar urnas tradicionais, tipo malote, para substituição, José Carvalho afirma que essa seria a última alternativa. “Este é o último recurso que há nos procedimentos de contingência, mas cada vez mais, o software da urna eletrônica é aperfeiçoado com o objetivo de evitar, ao máximo, este procedimento. Para se ter uma ideia, a última vez que utilizamos urna de lona em uma seção eleitoral foi nas Eleições de 2010”, lembra.

Perguntado sobre se há total lisura no processo eleitoral organizado pelo TRE de Sergipe, o José Carvalho foi taxativo. “Sem dúvida! Todos os procedimentos de preparação das eleições são feitos por meio de Cerimônia Pública e com a possibilidade de auditoria por parte dos Partidos Políticos, Coligações, OAB e Ministério Público. Os sistemas eleitorais são assinados digitalmente e totalmente auditáveis e todas as operações realizadas são registradas em arquivos de LOG. Para se ter uma ideia, os Partidos Políticos podem solicitar os registro de LOG da totalidade das urnas eletrônicas e realizar uma auditoria em relação a utilização das urnas eletrônicas, haja vista que as informações gravadas são ricas em informações, vez que registra a data, hora e o evento realizado em cada equipamento desde a preparação em Cerimônia Pública até o encerramento da votação”, detalha.

22 anos

Este ano, a urna eletrônica está completando seu 22º aniversário.  Desde que foi usada pela primeira vez, em 1996, ela passou por inúmeras mudanças tecnológicas a fim  de  garantir  aos  brasileiros  o  exercício  salutar  da   cidadania, concretizado num processo de votação seguro  e confiável. Hoje, ela é símbolo da democracia brasileira e carro-chefe do Tribunal Superior Eleitoral.