CULTURA - 09/11/2017 - 18:19

Trio vocal “Nanã” estreia cantando o feminino na obra de Chico Buarque



 

Após um ano intenso de preparação, o trio vocal Nanã estreia, na noite desta sexta-feira, 10 de novembro. A partir das 20h, o grupo – formado por Glória Costa, Lygia Carvalho e Rebecca Melo – se apresenta no Café da Gente, trazendo para o público no show “À Flor da Pele”, um repertório especial, que homenageia o feminino retratado na obra de Chico Buarque.

Concebido e planejado coletivamente, o show busca explorar a riqueza da abordagem da temática da mulher na obra buarquiana. Segundo Glória Costa, o roteiro passa por algumas das muitas figuras femininas retratadas por Chico, em suas composições. “Nossa maior inspiração foi a imensa capacidade que Chico tem de expressar os desejos e sentires da mulher nas suas canções. Arrisco dizer que ninguém jamais fez isso com tanta maestria. Então, ele nos dá elementos de sobra para passearmos por toda essa pluralidade ao longo do show, em meio a um pouco de poesia, teatro e dança”, disse.

Lygia Carvalho revela que o show celebra a concretização de um sonho coletivo, iniciado com a formação do grupo, em abril 2016. “Movidas por esse amor pela música, nos reunimos a convite de Rebecca, para formar o grupo e, desde então, percorremos um caminho de muito aprendizado – técnico e humano. Tem sido um processo muito enriquecedor, em todos os sentidos, e isso só pode se manifestar numa noite de muita beleza, transbordando de boas energias. Tenho certeza de que vai ser lindo”, comentou.

O show tem direção musical de Denisson Cleber e arranjos vocais coordenados por Jeanine de Bona. De acordo com Denisson, a noite trará algumas surpresas em forma de arranjos. “Nossa maior preocupação é trazer para o público toda a emoção e o carinho empregados no período de maturação desse projeto, através das releituras que fizemos especialmente para a interpretação do trio”, pontua o músico, que estará por conta do violão, 7 cordas e 12 cordas.

Somam-se ao grupo os músicos Fábio Cavalieri no baixo acústico; Odilio Saminêz na percuteria; e Lucas Campelo, que se alterna na execução do violão, piano e sanfona. Além de assinar a produção, J. Victor Fernandes fará uma intervenção poética no show, que também contará com outras participações surpresa. Os ingressos serão vendidos na hora, na bilheteria do Café, pelo valor de R$ 20.

Da assessoria