- 21/08/2017 - 15:09

Equilíbrio

Ouvimos essa palavra como “palavra de ordem” para várias situações. Eu mesmo, por diversas vezes, já citei em minhas pregações e palestras que o equilíbrio é fundamental para tudo em nossa vida. Gosto, inclusive, de enfatizar a importância de sabermos lidar com o natural e com o sobrenatural. O cristão não pode deitar numa rede espiritual e ficar balançando, na expectativa de que tudo aconteça sem a sua participação e trabalho; mas também não pode desconsiderar o poder da fé que age naquilo que para nós é impossível. Entendo, portanto, a importância desse equilíbrio.
Entretanto, eu gostaria de lhe chamar a atenção para uma visão diferenciada de equilíbrio. Geralmente, ao pensarmos nisso, imaginamos, por exemplo, que, numa medida de um metro, o equilíbrio seja o ponto dos cinqüenta centímetros, e é assim que tentamos nos comportar diante das situações da vida. Nem só o sol e nem só a lua. Tentamos dividir nosso empenho e desempenho proporcionalmente naquilo que temos por realizar. Usando a mulher moderna como exemplo, percebemos a sua tentativa em buscar esse equilíbrio na divisão de tarefas (e que não são poucas): relacionamento conjugal, cuidado com os filhos, vida profissional, vida social, lazer. Nossa! Parece que ela tem que pegar uma calculadora para fazer uma perfeita divisão dos esforços que deverão ser despendidos para cada uma dessas funções. Porém, levanto aqui a seguinte visão sobre equilíbrio: é mais do que uma perfeita divisão de desempenho das múltiplas tarefas; é, na verdade, discernir a hora de cada coisa e, nessa divisão de tempo (e não de tarefas), dar 100% de si para o que está fazendo e vivendo naquela hora. Digo, então, que equilíbrio é viver o extremo que cada situação exige.
Um dos nomes mais conhecidos da Bíblia é o de Davi (aliás, a própria Bíblia diz que Davi era um homem segundo o coração de Deus). Ele foi um exemplo de como viver a intensidade de um momento. Ele era um guerreiro, um rei de grande sucesso e de grandes vitórias, e seu nome temido pelos seus inimigos. Ele se entregava completamente às batalhas. Mas esse mesmo homem era capaz de se entregar à adoração a Deus de tal forma que espantava os mais tradicionais, pois se juntava ao povo dançando e louvando o nome do Senhor e, quando estava com o coração apertado por ter feito algo que não agradava a Deus, tirava suas vestes de rei, vestia uma roupa de saco e se colocava no pó, com a intenção de se humilhar perante o Senhor. Assim, vejo Davi como sendo um homem que vivia de forma extremada cada momento de sua vida. Para mim, isso é equilíbrio: saber como ser em cada momento.
Desejo a você uma vida equilibrada. Forte abraço e até a próxima oportunidade, se Deus disser que sim.