- 14/03/2019 - 06:00

Vamos que vamos, Belivaldo!



Quando a gente critica, desde que se trate de critica construtiva – esse lugar comum por quase ninguém utilizado –, é claro que a intenção é ajudar a acertar. E quando a gente elogia, desde que seja um elogio sincero e descompromissado – outro lugar comum, mas que muita gente não utiliza também –, a questão é incentivar o acerto. Pois bem, o governo estadual, que é criticado aqui, sim, porque existem, de fato, problemas, agora está merecendo um super elogio: a definição, por parte do governador Belivaldo Chagas (PSD), de que Parceria Público-Privada tocará a administração do Ceasa de Itabaiana e do Centro de Convenções de Aracaju. Aqui não se trata de um posicionamento ideológico, alinhado a políticas liberais, de mercado e blá, blá, bla… O ponto central é que o Sergipe vive uma das piores crises de sua história. Já pensou o nível de contradição que seria, mesmo em meio a tal crise, o governo aumentar ainda mais as suas despesas com dois espaços importantes, claro, mas que, para funcionarem, serão dispendiosos? Ao definir as PPPs para essas gestões, Belivaldo mostra que busca soluções. E mesmo que isso pareça uma solução óbvia, muitos gestores simplesmente deixam de tentar por medo de serem taxados de “entreguistas” ao buscar apoio da iniciativa privada para ações no setor público. Belivaldo Chagas, não! Dá a “cara a tapa”, assume o risco de ser criticado por “dinossauros administrativos”, esses sim ligados umbilicalmente a questões ideológicas, algumas já vencidas, mas não aceita inchar ainda mais o Estado num momento em que cortar – e também evitar novas – despesas é, se não única, a melhor coisa a fazer.

Outro ponto

E tem mais uma coisa que abona a conduta de Belivaldo Chagas nessa questão das PPPs: um adversário político seu, o empresário Milton Andrade (PMN), que foi candidato a governador em 18, já havia “cantado a bola” das parcerias, de maneira mais radical, até, pois Milton sugere as PPPs desde a construção, ou reforma, como no caso do Centro de Convenções. Ou seja: Belivaldo não se deixa iludir pela vaidade besta de ser “pai da ideia”. Merece aplausos!

Mão firme

O colunista está acompanhando de perto – por dever de ofício, uma vez que inicia trabalhos por lá – uma série de reuniões do prefeito Gilson Andrade (sem partido) com seu secretariado na cidade de Estância. Mas não são reuniões quaisquer: nelas, o gestor definiu grupos de secretarias por áreas relacionadas e está detalhando ações propositivas, num diálogo aberto com os secretários. Isso motiva, chama o “feito a ordem” e coloca a gestão como um todo nas mãos do prefeito. Simples, objetivo e correto!

De olho!

Em meio a festa em Itabaiana pelo retorno de Valmir de Francisquinho (PR) à prefeitura após quatro meses, em meio a uma enxurrada de provocações na internet dos que voltaram pra cima dos que saíram, se sobressai a atitude ponderada, equilibrada e respeitosa do prefeito Valmir ao tratar de temas administrativos itabaianenses. É bem por aí, pois a população quer a entrega de soluções e de trabalho, não uma sucessão de impropérios de lado a lado!

Paixão por Socorro

O mote é sensacional e, dessa forma, está dada a largada para que o presidente do PV socorrense, Rodrigo Paixão, busque espaço na política da cidade da Grande Aracaju, mais especificamente uma vaga na Câmara de Socorro em 20. Filho do ex-deputado federal Ivan Paixão, Rodrigo tem mais de 20 anos na vida pública, nas articulações e nos bastidores, e seguramente tem muito a oferecer aos socorrenses, uma vez que, na cidade, já ajudou, ao longos dos anos, a eleger pelo menos sete vereadores.