OPERAÇÃO CAÇA FANTASMAS - 13/03/2018 - 15:48

Vereador Juvêncio é denunciado pelo MPE por crime de peculato



Da redação, AJN1

O vereador Juvêncio Oliveira (DEM), ex-secretário de Articulação Política e Relações Institucionais (Seapri) da Prefeitura de Aracaju, foi indiciado pelo Ministério Público do Estado (MPE) pelo crime de peculato, dentro da terceira fase da operação “Caça Fantasmas”, que investiga servidores comissionados que recebiam salários sem trabalhar, na gestão do ex-prefeito João Alves (DEM).

Outros cinco ex-servidores foram indiciados. Além desses, o ex-prefeito, João Alves Filho, e a ex-secretária de Governo, Marlene Calumby vão responder na Justiça pelo mesmo crime.

Durante as oitivas, Juvêncio disse à promotoria que havia controle de frequência de funcionários e assumiu que nomeou uma irmã de uma servidora que estava doente e que ela ficou recebendo sem comparecer à Seapri. Entretanto, ele nega qualquer tipo de envolvimento com a ex-servidora.

Segundo a promotoria, um ex-cunhado de Juvêncio foi nomeado para trabalhar na Seapri, mas não era conhecido pela maioria dos servidores. Perguntado pela promotoria sobre a frequência do funcionário, Juvêncio admitiu que ele não era assíduo.

A esposa de Juvêncio também foi questionada. Segundo o vereador, na época em que eles trabalhavam na Seapri, eram apenas noivos e ela foi exonerada após o casamento. Mas segundo a promotoria, ela, posteriormente, foi nomeada em outra secretaria a qual Juvêncio não soube informar, chegando a se contradizer.

Hoje, a Seapri não existe mais e os promotores de justiça Luciana Duarte, Bruno Melo, Leydson Gadelha e Jarbas Adelino, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) acreditam que a articulação trouxe benefícios econômicos ao ex-secretário.

Juvêncio, embora exerça cargo eletivo, não tem foro privilegiado e responderá em Vara Criminal comum.

A AJN1 não conseguiu contato com o parlamentar para se posicionar sobre as denúncias.