ARACAJU/SE, 19 de julho de 2024 , 13:02:49

logoajn1

J&F anuncia investimento de US$ 100 milhões para produzir gás natural na Bolívia

 

A Fluxus, empresa de óleo e gás do grupo J&F, anunciou, nessa terça-feira (9), que investirá US$ 100 milhões (cerca de R$ 550 milhões) na Bolívia até 2028. O valor será aplicado na ampliação da produção em três campos recém-adquiridos pela companhia.

A expectativa é elevar a produção diária nos campos de 100 mil m³ (metros cúbicos) de gás para 1,1 milhão de m³. Além da aquisição e dos investimentos nos três campos atuais, a Fluxus também avalia investir em atividades de exploração de gás em novas áreas da Bolívia, segundo o presidente da empresa, Ricardo Savini.

“Também seguimos prospectando investimentos na Argentina, no Peru e na Venezuela, sempre na direção de nos consolidarmos como uma plataforma sul-americana de óleo, gás e energia”, afirma o executivo.

As operações que receberão os novos investimentos da Fluxus abrangem três campos na bacia Tarija-Chaco: Tacobo, Tajibo e Yacuiba. “Com este passo, a Fluxus aproveita a reserva disponível e a posição estratégica da Bolívia para atender a demanda por gás na região, inclusive dos outros negócios do grupo J&F”, diz Savini.

A J&F, dos empresários Joesley e Wesley Batista, comprou a Fluxus em dezembro de 2023. A empresa tinha origem argentina, sendo operadora de ativos de gás natural no país. Na ocasião, o grupo já tinha afirmado que o plano era ampliar as operações para outros países da América do Sul.

Savini afirma que o gás natural da Bolívia é essencial para o abastecimento do mercado brasileiro, no qual o grupo J&F possui usinas movidas com o combustível. Na área de energia, o grupo possui a Âmbar, que tem uma capacidade instalada de 2,5 gigawatts. Em junho, a empresa fechou a compra de 13 térmicas a gás da Eletrobras.

A Âmbar é a quarta maior geradora de energia a gás natural no Brasil em termos de capacidade instalada e possui a UTE Cuiabá, conectada às bacias de gás da Bolívia por gasoduto próprio, e a UTE Uruguaiana, ligada às reservas de gás da Argentina. Além disso, a UTE Araucária está interligada às reservas de gás do Brasil e da Bolívia.

Fonte: Poder360

 

 

 

 

Você pode querer ler também