Sergipana conquista prêmio Capes de Tese na área de Medicina

 

Recentemente foi divulgado, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação, o resultado do Prêmio Capes de Tese – Edição 2020, que determina às melhores teses de doutorado defendidas em 2019. E a doutora sergipana em Ciências da Saúde Paula dos Passos Menezes foi outorgada pela sua tese na área de Medicina. É a primeira vez que uma sergipana vence este prêmio, que está em sua 15° edição.

Paula dos Passos Menezes, que é também professora substituta do Departamento de Farmácia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), foi bolsista da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação de Sergipe (Fapitec) durante sua graduação e mestrado. O tema abordado em seu trabalho foi: “Tecnologias para estudo e tratamento da insuficiência venosa crônica: desenvolvimento de microambientes e abordagens nanotecnológicas”.

Segundo o orientador da tese, o professor doutor Adriano Antunes de Souza Araújo, a partir do uso de tecnologias farmacêuticas, a doutoranda desenvolveu biomateriais para o tratamento de úlceras venosas, realizando estudos em microambientes tridimensionais. O produto final são meias que já possuem um medicamento em sua composição, e que atuam diminuindo a dor associada à lesão e acelerando a cicatrização. As meias, promovem, ainda, o clareamento da área perilesional, devido a redução de melanina e eritema, e contribuem para a redução dos diâmetros venosos de diferentes segmentos da veia safena.

De acordo com a farmacêutica, a meias resolvem dois problemas deste tipo de tratamento: a adesão e as reações adversas. “O tratamento padrão, utilizado atualmente nos pacientes com varizes e úlceras venosas, normalmente se dá pelo uso de comprimidos e de meias compressivas (sem nenhum fármaco). Normalmente, as pessoas esquecem de ingerir os medicamentos ou eles podem causar uma reação adversa, como desconforto gástrico. Então, usando uma meia que já tem o medicamento, resolvemos esse problema de adesão, sendo mais fácil do paciente lembrar, além de atuarmos apenas no lugar da ferida, evitando possíveis desconfortos no estômago e melhorando bastante a qualidade de vida”, explica a professora. A pesquisa contou ainda com a co-orientação da professora doutora Sílvia Stanisçuaski Guterres.

Trajetória

Nascida no povoado de Boqueirão, município de Areia Branca, filha de feirantes, a professora, mestre e doutora Paula dos Passos Menezes teve uma longa trajetória, que exigiu muito foco e determinação. Seu projeto teve início no ano de 2010, quando foi aprovada como bolsista da Fapitec/SE, com um apoio financeiro muito importante em sua jornada acadêmica. Mais tarde, no ano de 2017, já como mestranda, participou, mais uma vez como bolsista do Edital João Ribeiro, também promovido pela Fapitec, no qual teve a tese premiada como artigo científico.

“Para chegar onde cheguei, com certeza, a iniciação científica foi um passo decisivo, e a Fapitec foi importantíssima neste processo. Primeiro pela concessão de bolsas, pois considero fundamental o investimento que fizeram nos meus estudos, e também pelo reconhecimento das pesquisas que a gente desenvolve com tanto empenho e qualidade aqui na UFS”, finaliza.

Para o diretor técnico da Fapitec/SE, Ronaldo Guimarães, o prêmio é uma importante conquista da pesquisa sergipana e um reconhecimento pelo trabalho executado pela professora doutora Paula Passos Menezes. “Vale destacar, ainda, que tudo isso demonstra, também, o reconhecimento de um árduo trabalho, executado pelo Governo, por meio da Fapitec, para o fomento da pesquisa e inovação no nosso estado”, destaca.

Fonte: Ascom Núcleo do Desenvolvimento Econômico, Previdência e Turismo