Corpo de esquartejada só foi recolhido hoje pelo IML

Da redação, AJN1

 

O corpo da dona de casa Uilma Crispim Vieira da Silva, 25, que foi morta e esquartejada pelo companheiro na cidade de Itabaiana, só foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) no final da manhã de hoje (6). A demora ocorreu em virtude de partes do corpo terem sido jogados em um matagal de difícil acesso, dificultando o trabalho dos peritos da Criminalística. O autor do crime, Erisvan José da Siulva foi preso em flagrante e se encontra recolhido na carceragem da Delegacia Regional do Município.

 

O homicídio aconteceu no último domingo (3), mas o crime só foi descoberto na tarde de ontem, depois que a polícia recebeu uma denúncia indicando a localização de um corpo em um matagal no bairro Torre. Erisvan, que trabalhava como flanelinha, foi preso pela equipe do delegado Marcos Garcia e confessou o assassinato, alegando que vinha sendo traído pela companheira.

 

Sem demonstrar arrependimento, o acusado contou detalhes de como agiu e revelou que colocou os filhos da vítima para dormir ao lado do corpo, que depois foi esquartejado e foi deixado na residência do casal até terça-feira. Erisvan afirmou em depoimento que a princípio estrangulou a mulher com as mãos e depois usou um pedaço de fio para enforcá-la, como forma de certificar-se que estaria morta.

 

O acusado já tem passagens pela polícia. Em março deste ano, ele foi preso portando um revólver calibre 32 e chegou a fugir algemado da delegacia. O acusado respondia a processo em liberdade.

 

Violência

 

O assassinato com requintes de crueldade de Uilma Crispim ocorreu cinco anos depois, de outro fato chocou a comunidade itabaianese e colocou a cidade de forma negativa na imprensa nacional. Em maio de 2011, Fernanda Teixeira de Andrade, 16, foi morta a golpes de faca e abandonado no bairro Bananeiras em uma caixa de papelão.

 

O caso ficou conhecido como o “crime da caixa”. A acusada, que na época era adolescente, cumpriu medida socioeducativa de internação até 2014.