Manuela d’Ávila: “Projeto de Temer é defendido por muitos candidatos”

A pré-candidata à presidência pelo PCdoB, Manuela d’Ávila, participou na manhã desta segunda-feira (23), de coletiva de imprensa em Aracaju. Manuela destacou que o Governo Michel Temer é o mais impopular da história e representa um projeto de País que não foi eleito pelo povo.

“Temer não é só um homem, é um projeto e esse projeto está reencarnando em muita candidatura por aí. Essa impopularidade é fruto de um conjunto de medidas que Temer adotou e é o jeito que a direita brasileira acha que a crise tem que ser superada, com esse projeto de austeridade que proíbe investimentos sobre programas sociais como foi a aprovação da emenda constitucional 95 [que congela investimento] por 20 anos”, esclareceu Manuela.

A pré-candidata afirma que o povo sabe que Temer, Alckmin, Bolsonaro e Henrique Meirelles defendem a reforma trabalhista e não defendem a revogação como ela defende. “Eles acham que mulher grávida pode trabalhar em ambiente insalubre? O povo sabe que metade das mulheres não conseguiu emprego depois de parir mesmo com a CLT? Como é que vai ser sem ela? Se já não conseguia antes, imagina agora”, examinou Manuela.

Estado forte

Para resolver os problemas cruciais que o país tem, Manuela disse que é preciso, primeiro, reafirmar o poder do Estado e realizar um projeto nacional de desenvolvimento que tire o País da crise. Segundo ela, todas as grandes nações do mundo têm esse papel de organizador, condutor do projeto econômico, só no Brasil que os liberais defendem um Estado mínimo.

Manuela reafirmou também a defesa de imposto sobre grandes fortunas como arrecadação e o fim do imposto sobre o consumo. Para ela, é preciso discutir com os estados a tributação sobre heranças e citou o Maranhão como exemplo. Contanto que o governo de Flávio Dino (PCdoB) decidiu investir na Educação, tornando escolas antes sucateadas para dignas, garantindo ao mesmo tempo dignidade para seu povo, gerando emprego e renda.

Congresso Nacional

Ao ser questionada como iria conquistar o Congresso Nacional para governar, Manuela lembrou que foi deputada por oito anos e ponderou que, apesar de não guardar ilusões sobre um Congresso “questionável”, foi o mesmo que garantiu alguns avanços para o povo, aprovando programas sociais importantes nos governos de Lula e Dilma. “Quando se tem um projeto claro de país é possível em debate com a sociedade fazer que o Congresso avance”.

Ato com movimentos sociais

Depois da coletiva, a pré-candidata participou de ato representativo com representantes de movimentos sociais e a tarde tem agenda com diversos outros setores. À noite, a militância comunista se prepara para receber Manuela, às 19 horas, na Assembleia Legislativa.