Governo entrega nova Unidade de Apoio Crítico do Huse

O governador Belivaldo Chagas (PSD) e a vice-governadora Eliane Aquino (PT) entregaram, nesta quinta-feira (31), a nova Unidade de Apoio Crítico do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). O setor possui dez leitos e recebeu equipamentos avaliados em R$ 1.060.000,00.

De acordo com o governador, a nova ala faz parte do direcionamento da gestão estadual para promover uma maior humanização ao Huse. “A partir do funcionamento dessa unidade de apoio ao paciente crítico, conseguimos desafogar outros setores, outras unidades aqui dentro do próprio Huse. Isso evita aquele problema que tínhamos em um passado recente, de corredores lotados e dificuldades até mesmo para que os próprios profissionais pudessem trabalhar em algumas alas. Isso significa dizer que a rede hospitalar está funcionando”, disse Belivaldo.

A nova Unidade de Apoio Crítico do Huse também irá oferecer, pela primeira vez em Sergipe, dois leitos destinados à captação de órgãos, ou seja, para pacientes em protocolo de morte encefálica.

Segundo o coordenador da Unidade de Apoio e Área Vermelha do Huse, José Edvaldo dos Santos, com a nova ala, o Estado passará a ter um grande potencial de captação de múltiplos órgãos, o que não era possível até então. “Para fazer a captação dos órgãos é necessário o diagnóstico da morte encefálica, feito em três exames. A partir da realização do primeiro exame, o paciente vai ser transferido para um desses dois leitos, e aguardará a realização desses dois outros exames, aqui nessa unidade. A unidade tem características de UTI, nela o possível doador terá toda a assistência até que seja fechado o diagnóstico de morte encefálica. Feito o diagnóstico e a abordagem da família, a organização de procura de órgão do hospital fica responsável por fazer a captação dos órgãos daqueles pacientes o qual a família concordou com a doação. Já os demais oito leitos servirão como retaguarda para o Centro Cirúrgico, como sala de recuperação”, reforçou.

Os dois leitos reservados para pacientes com protocolo de morte encefálica vão ficar sob o controle do Sistema Interfederativo de Garantia de Acesso Universal [Sigau], mas, com olhar especifico para a Central Estadual de Transplantes e Organização de Procura de Órgãos (OPO) do Estado.

Com informações da ASN