- 10/07/2019 - 15:32

Aqui, não!

O vereador Fábio Meireles protocolou hoje (10), na Câmara de Aracaju um pedido para que o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação do Governo Lula, Fernando Haddad não seja agraciado com o título de cidadania aracajuana. A honraria foi sugerida pelo vereador  Camilo Daniel (PT) e aprovada pela Câmara Municipal de Aracaju.  O pedido de revogação de cidadania, algo inédito em Sergipe, será apreciado pela Casa Legislativa. Fábio aponta, em sua justificativa, que Haddad, além de não ter contribuído com Aracaju, é acusado de corrupção, fato que, no seu entender, o descredencia a querer ser conterrâneo dos aracajuanos de bem.  Se a moda pega!

Faz sentido

Especialistas destacaram, em audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais, que  o Projeto de Lei (PLS 116/2017), de autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM) que regulamenta a demissão de servidores por insuficiência de desempenho no trabalho, “deve fazer parte de um projeto de gestão para otimizar a performance do setor público”. Para eles, “o instituto da estabilidade funcional não deve ser usado para proteger o mau servidor”.

Sem noção

Só este ano, o Serviço de Atendimento Móvel (SAMU) em Sergipe recebeu mais de 37 mil trotes. Isso mesmo. Pessoas sem qualquer noção de respeito, de solidariedade, de espírito cristã, desocupadas, desumanas e tudo o mais que couber, pegaram um aparelho telefônico para ligar e brincar com algo tão sério. É um fato lamentável que carece de uma boa reflexão.

Alento

Na próxima semana, os gestores dos mais de 5.600 municípios brasileiros receberão o tão esperado o um  por cento extra no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). No total, serão rateados mais de R$ 4,3 bilhões.  Essa é uma velha reivindicação dos prefeitos em todas as marchas feitas a Brasília.

Expofeira

A Superintendente do Patrimônio da União em Sergipe deve explicar ao juiz  federal Sérgio Feitosa sobre a autorização para a realização da 11ª edição da Expofeira. O evento que reúne expositores de todo o país está marcado para o próximo sábado (13) e, no entender do magistrado, ficará comprometido em virtude do parco tempo para a sua estruturação, o que gerará prejuízos a todos os setores, sobretudo à sociedade.