- 20/02/2020 - 08:00

Emília Correia: a firmeza e o equilíbrio sempre tão necessários



Anderson Christian

christianjor@gmail.com

Em alguns momentos, dede que está no comando desse espaço opinativo, o colunista já externou que vê com bons olhos as posturas da vereadora Emília Correia (Patriotas). Lógico que não é de se concordar 100% nem com Emília e nem com ninguém, claro, afinal a discordância faz parte da construção dos debates democráticos. Assim, nessa seara, a coluna realmente não havia entendido um certo quê de subserviência que a parlamentar parecia emitir quando seu nome foi preterido para o de Danielle Garcia (Cidadania) como pré-candidata a prefeitura de Aracaju neste ano. Claro que Emília estava, e está, no direito dela de se posicionar como achar melhor. Mas matéria veiculada pelo site NE Notícias, e devidamente reproduzida a seguir, trouxe Emília de volta ao jogo. Leia e entenda porquê. “Durante entrevista à uma rádio local, em que, um dos pontos mais questionados foi a recente viagem da vereadora Emília Corrêa (Patriota) a Brasília para reunião com a executiva nacional do partido, a parlamentar reafirmou que honrar com a palavra faz parte da sua formação.  “Tudo que vem acontecendo em Aracaju a nacional está acompanhando a distância. E, eu, sou muito grata com o acolhimento que recebo no partido. Eles sabiam que meu nome era um dos cogitados, mas não tinham conhecimento dos critérios internos que foram estabelecidos. A reunião foi para definir os caminhos do Patriota aqui em nosso estado, especificamente na capital, mas também serviu para esclarecer esses pontos”, ressaltou. De acordo com a vereadora, o partido compreendeu seu posicionamento, e, explicou que irá conversar com outros pré-candidatos. “A cada dia me surpreendo mais com o patriotismo do partido. Eles foram bastante compreensivos e apoiaram a minha postura. Também deixaram claro que mesmo o foco sendo na campanha para vereadores, nada impede de conversar com outros candidatos ao cargo majoritário”, declarou. Por fim, Emília confirmou que o partido tentou convencê-la de sair candidata a prefeita. “Era o que mais eles queriam. Mas, fazendo isso, eu iria confundir as pessoas que confiam em mim nesse sentido. Talvez seja até um critério que não exista na política, mas eu costumo honrar com minha palavra porque essa é minha formação e meus valores. Prefiro caminhar assim”, concluiu. Sobre apoio à pré-candidatura da delegada Danielle Garcia (Cidadania), a vereadora não deixou dúvida: “O compromisso era não sair candidata a prefeita ou vice-prefeita. Cumprirei meu compromisso, mas não houve acordo com relação a apoio. Coloquei minha situação para Executiva Nacional do Patriota, que me respeitou e agora eu preciso respeitá-la. O partido deve conversar com outros pré-candidatos, assim como já tem feito, já que o meu nome não está à disposição para disputar o cargo majoritário em Aracaju”.” Ou seja: Emília, de fato, sabe a importância e peso que tem na política aracajuana e, em construção conjunta com o seu partido, o Patriotas, não vai deixar, digamos, a nau seguir a deriva nas eleições. Se comprometeu em não sair candidata a prefeita e nem a vice, ok? E cumprirá a própria palavra. Mas não descarta conversas com outra pré-candidaturas, uma vez que a palavra dada ao Cidadania será devidamente cumprida. E, assim, vemos as coisas chegando para os seus lugares. É que a pré do Cidadania, Danielle Garcia, mesmo tendo seus méritos reconhecidos como grande profissional da segurança pública, de fato não tem o respaldo eleitoral que Emília possui, também por méritos próprios, junto ao eleitorado aracajuano. Por isso que estava estranha a postura da vereadora. Ela, que teve seu nome aventado como uma das possibilidades do Cidadania, havia esfriado por completo apenas por conta da pesquisa que definiu o nome de Danielle como pré-candidata. Para alguém cuja trajetória política sempre foi marcada pela combatividade, a aceitação mansa, pacífica, de Emília destoava de sua própria maneira de fazer política. Ao deixar claro que mantém sua independência na escolha de quem apoiar para a prefeitura, Emília volta a ser 100% Emília. E, assim, mesmo que lá na frente ela decida apoiar Danielle Garcia, de toda forma já terá dado o recado de que não é “cabrestável”, de que não deixa que os outros decidam por ela e por seu partido. Quando se leva em consideração quanto o processo eleitoral é feito de determinações e mandos verticais, onde lideranças é que definem em quem seus aliados devem ou não votar, a postura de Emília é um alento e mostra, ainda, que ter pulso e decisão não são características de quem quer impor nada, mas sim de quem acredita na própria história e trajetória. Emília Correia, portanto, além de estar de parabéns pela postura firma, mas ao mesmo tempo serena, também ajuda a jogar uma pimentinha a mais no molho que condimentará a disputa pela prefeitura de Aracaju neste ano, que promete ser bastante animada.

Municípios reagem

Nota da Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (Fames) veio em boa hora para mostrar que os prefeitos e demais autoridades municipais não estão alheios a polêmica do fechamento de agências do Banese em diversas cidades interioranas. A ela. “Gestores, vereadores, secretários municipais e representantes de prefeitos das cidades de Pirambu, Santo Amaro das Brotas, Rosário do Catete, Nossa Senhora de Aparecida, Malhador, Riachuelo, Areia Branca, Poço Verde, Siriri, Japoatã, Cristinápolis, Umbaúba, Indiaroba e Poço Redondo, estiveram reunidos nesta quarta-feira 19, com o presidente do Banese, Fernando Mota, em um encontro realizado pela Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (FAMES), para tratar sobre o possível fechamento das agências bancárias, que passariam a ser pontos de atendimento eletrônico e presencial. Ao tomar conhecimento do assunto, a Fames idealizou encontros com prefeitos e mobilizou todos para que juntos, pudessem reverter esta decisão que afeta toda população dos municípios inclusos na lista de readequação. Em conversa com os gestores presentes na reunião informal, o presidente do Banese, Fernando Mota, discutiu o assunto deixando claro a todo momento que os prefeitos ficassem tranquilos, pois trata-se de uma mudança que beneficia as cidades e assegura a continuidade no atendimento ao cidadão”.

Municípios reagem 2

“A iniciativa é uma tendência do sistema bancário. Inclusive, dezenas de municípios no país estão aderindo a esta adequação, em que a população é atendida de forma presencial por equipamento de autoatendimento e in loco nos pontos Banese”, explicou.  O presidente ainda destacou que houve uma desinformação que gerou comentários negativos. “Comparecemos hoje, aqui, e ouvimos reclamações e ponderações dos gestores, e explicamos as razões pelas quais adotamos essa medida”. Atento às colocações de Fernando Mota, o presidente da Fames, Christiano Cavalcante, disse que o Banese precisa repensar a decisão e ouvir mais os prefeitos para que juntos tracem estratégias de fortalecimento entre instituição bancária e os municípios. “Esta luta é de todos nós. O Banese é um banco importante para toda sociedade sergipana, e precisamos sempre agir em prol do fortalecimento. Acredito que o melhor caminho para se resolver qualquer coisa é através do diálogo”, pontuou.

Municípios reagem 3

Presente na reunião, o prefeito de Areia Branca, Alan de Agripino, falou do impacto que será causado na população rural, caso a decisão seja concretizada. “Nos preocupa muito saber que nossa população será atingida por esta decisão. A tecnologia não chegou para todos, e temos uma área rural desprevenida e que apresenta pouco interesse pelos novos meios de realizar pagamentos e resolver as coisas do dia a dia, que dependem de uma pessoa presente no caixa bancário”, disse inconformado. Ao final do encontro, e após ouvir todos os gestores, o presidente do Banese marcou uma reunião com toda diretoria para o dia 06 de março, onde será reavaliado e estabelecido opções de continuidade na medida em que os prefeitos se oferecerem a somar esforços. “Com toda conversa, não iria, de forma nenhuma, rejeitar às propostas dos gestores. Vamos nos reunir para que a gente encontre uma solução definitiva”, enfatizou Fernando Mota.

Mister polêmica

O vereador Cabo Amintas (PTB) foi impiedoso com bloquinhos de carnaval que saem as ruas sem a devida organização. Amintas iniciou seu discurso na Câmara parabenizando os vereadores Anderson de Tuca (PRTB), Zezinho do Bugio (sem partido) e Palhaço Soneca (sem partido) pela organização dos bloquinhos de carnaval que aconteceram de forma alegre e segura. Daí petebista mostrou no plenário um vídeo que circulou em várias mídias, em que aparecem seis rapazes agredindo com socos e chutes a um outro que estava caído no chão em bloco de carnaval, no Bairro Jardins. Os policiais chegaram ao local para acabar com a briga e também foram recebidos com garrafas de vidro sendo lançadas. “Tem algum órgão que não está sintonizado. Se a Prefeitura autoriza tudo e não conversa com a polícia para saber se vai ter policiamento, tem alguém errado nessa história. Já que o bloco era ecológico, podiam mandar a Polícia Ambiental para meter o cacete naqueles ‘bichos selvagens’ que estavam brigando lá”, criticou.

FRASE

“Não é populismo nem pobreza. Foi falta de decisão por parte do governador e estou revendo isso”

Belivaldo Chagas, gov. do Estado

Sobre Governo de Sergipe não ter aeronave oficial e nem locada