- 12/02/2020 - 08:00

Gilson Andrade e a capacidade de transformar o futuro



Anderson Christian

christianjor@gmail.com

Quando se fala, ou melhor, quando se ouve sobre administração pública, os temas, de maneira geral, são basicamente os mesmos. Em ano eleitoral, então, aí é que nem se fala: tome “cuidar da educação” dali, “melhorar a saúde” daqui, “cuidar da população” acolá. E a cantilena é exatamente a mesma, entra ano e sai ano, vem eleição e vai eleição. Só que a prática administrativa quase sempre é diferente do belo discurso dos momentos de campanha. E, nesse caso, isso se dá por muitas razões, mas vale destacar duas delas. Ou quem vence a eleição e vai comandar o executivo é incompetente mesmo, ou a realidade se apresenta bem mais complexa do que o decantado em verso e prosa no discurso. Essa distância entre o que se promete e o que se realiza, de fato, é possivelmente a causa principal do estranhamento que a população vem tendo em relação a classe política. Mas há políticos e políticos. E é sempre necessário se fazer a diferenciação entre eles, de forma a valorizar aqueles que atuam de forma diferenciada, positiva e com vistas a grandes transformações sociais aonde administram. E esse é o caso do prefeito de Estância, Gilson Andrade. Mas como já atuou na Comunicação da gestão de Gilson, o colunista vai preferir reproduzir trechos de uma matéria realizada pela Secretaria de Estado da Saúde para dar sustentação ao tema que pretende avaliar: a instauração do curso de Medicina na Unit estanciana. Vamos a matéria, então. “O interior do Estado poderá ter, muito em breve, mais um curso de Medicina. Na manhã desta terça-feira, 11, o secretário de Estado da Saúde, Valberto de Oliveira, participou de uma reunião no gabinete do prefeito de Estância, Gilson Andrade, com a participação de técnicos do Ministério da Educação (MEC) e o reitor da Universidade Tiradentes (Unit), Jouberto Uchôa, para apresentar as iniciativas que já foram implementadas pelo Governo para que esta possibilidade seja logo concretizada”. Ok, até aqui vemos o governo vendendo o seu peixe. Mas a história fala mais alto: tudo o que acontecer em relação a instalação desse curso em Estância tem origem lá atrás, circa 2017/2018, quando Gilson Andrade buscou o então líder do governo no Congresso, o ex-deputado André Moura, para que a cidade pudesse ser uma das poucas no Brasil a se habilitar e, enfim, conquistar essa oportunidade. E assim ocorreu, pois Gilson buscou André, que usou sua influência, claro. Mas se a gestão municipal não fizesse sua parte, nada do que está acontecendo e que ainda vai acontecer até que o curso de Medicina se torne uma realidade no cotidiano estanciano seria possível. Sim, porque cabe ao prefeito corer atrás, viabilizar parcerias, dar garantias legais de apoio, ofertar confiança e certeza de que a cidade está preparada, além de, num caso específico como é um curso de Medicina, ainda possuir um sistema municipal de saúde qualificado, preparado para ser parceiro de uma iniciativa do porte da instalação de um curso superior de tamanha importância. E tudo isso Gilson Andrade fez sem medir esforços, sem titubear um só segundo. Empenho, palavra e correção foram a tríade perfeita que o prefeito utilizou para viabilizar o que está em vias de se tornar real. Nesse ponto, destaque-se a importância da participação do governo estadual também, conforme mais um trecho da matéria explica. “Segundo o secretário da Saúde, Valberto de Oliveira, o governo ampliou em 19 o número de leitos do Hospital Regional Jessé Fontes, em Estância, para atender critérios do Ministério da Educação”. E fez muito bem, ora pois! Afinal, se o município tomou a iniciativa, fez a sua parte e conquistou o direito de ter o curso, ao Estado não caberia nada menos do que seguir o fluxo e fazer tudo o que estiver ao seu alcance para a concretização desse sonho. Mas sigamos com o texto oficial. “Até esta quarta-feira, 12, os técnicos do MEC estarão realizando avaliação dos equipamentos de saúde existentes no território e, assim, concluir esta fase do processo de solicitação de implantação do curso”. Assim, de forma definitiva, o curso de Medicina está a caminho de Estância e ponto! E aqui cabe um adendo: isso tudo bem ao contrário do que pessimistas incuráveis, ou apenas adversários políticos de Gilson Andrade em Estância propalavam, o curso de Medicina na Unit de Estância vai acontecer, sim. E ponto de novo! E, para fechar, mais um trecho da matéria governamental. “O reitor da Universidade Tiradentes, professor Uchôa, deixou o salão de reunião da Prefeitura de Estância muito animado e otimista quanto à possibilidade de implantar o curso até o final do ano.  “A reunião foi um espetáculo. A ação do prefeito Gilson Andrade e do governo do Estado são altamente comprometidas com o projeto e a Unit está de mãos dadas com eles para realizar um trabalho”, declarou”. Jouberto Uchôa entende do riscado. E seu reconhecimento atesta o que a coluna argumenta: sem a ação política, especialmente de Gilson Andrade, nada disso seria possível. Mas, vamos a mais um adendo: os “do contra” podem argumentar que “será um curso numa universidade particular”. Sim, e o que tem de errado nisso? Com certeza, pela importância do curso, a cidade ainda poderá ter a chance de receber necessários aportes econômicos e financeiros de quem optar por fazer Medicina em Estância. Mas também tem mais uma coisa interessantíssima: dentre as contrapartidas que o município, via Gilson, pediu a Unit é um percentual de bolsas para que sejam entregues a alunos oriundos da rede municipal de ensino com melhor desempenho. E aí, mais uma vez, temos que reconhecer a atuação magistral do prefeito: além de conquistar o direito de sediar um curso de Medicina na cidade que administra, Gilson Andrade garantiu a oportunidade de que jovens estancianos e estancianas possam se formar em Medicina gratuitamente. Enfim, é ou não é uma ação que transforma, para melhor, o futuro de uma cidade inteira?

Dividindo louros

E, demonstrando que tem grandeza d’alma pra além da conta, veja só o que declara o prefeito de Estância, Gilson Andrade, na matéria produzida pelo governo, via secretaria de Saúde. “O prefeito Gilson Andrade garante que sem a somação de esforços do governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde, seriam grandes as dificuldades para a implantação do curso. “A SES sempre se colocou à disposição, se prontificou a ajudar no que for necessário e se não houvesse o comprometimento por parte do governador Belivaldo Chagas em apoiar o projeto, não sei se conseguiríamos a aprovação do MEC, mas a vontade de colaborar irá facilitar o processo e creio que ainda este ano teremos a aula inaugural da faculdade de Medicina de Estância”, apostou”. Precisa dizer mais alguma coisa?

Jogando duro

A morte de cerca de 15 gatos ocorrida no Parque da Sementeira, na semana passada, foi recebida com grande choque pela deputada estadual Kitty Lima (Cidadania). Protetora animal e grande defensora do direito e bem-estar dos animais, Kitty lamentou a morte em massa dos animais e já está integrando uma força-tarefa para combater esse tipo de crime que tem se repetido no local, além de identificar e punir os autores. Por não ser a primeira vez que episódio como este ocorre na Sementeira, a deputada Kitty Lima acredita que a ação foi criminosa.

Jogando duro 2

E a deputada se manifestou. “Não ficaremos de braços cruzados porque, infelizmente, esta não é a primeira vez que acontece um episódio desta natureza. O grupo (de proteção animal) Manjedoura, que faz um trabalho belíssimo de assistência aos animais da Sementeira, está formando uma força-tarefa para avaliar e colocar em prática formas de evitar que mais animais sejam vítimas desses ataques, e além de mim, diversos protetores estão unidos nesta causa. Ao que tudo indica soltaram alguns cachorros no espaço onde os gatos costumam ficar, de propósito mesmo. Sempre suspeitamos que pessoas mal intencionadas soltam cachorros no parque para atacar os gatos, um verdadeiro extermínio”, disse Kitty.

Fala SINTESE

Olha só o que diz o maior sindicato da Educação sergipana. “Até a presente data, somente 14 municípios sergipanos, dos 74 onde o SINTESE tem filiados (professores e professoras de Aracaju são filados ao Sindipema), pagaram o reajuste do piso salarial de 2020 para professores e professoras das redes municipais. São eles: Poço Redondo, Nossa Senhora da Glória, Estância, Cedro de São João, Telha, Pacatuba, Brejo Grande, Siriri, Riachuelo, Itabaiana, São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro, Indiaroba e Lagarto”. Alô demãos prefeituras, vamos agir, ok?

PT: 40 anos

O Partido dos Trabalhadores (PT), realizou nesta terça-feira (11), sessão solene em homenagem aos 40 anos de luta do PT. O líder do PT no Senado Federal, Rogério Carvalho, celebrou. “É uma honra muito grande ter entrado na adolescência, saído da adolescência, entrado na idade adulta e ter vivido uma vida dentro do Partido dos Trabalhadores. Esse partido é o maior instrumento democrático de todos os tempos da história do Brasil, porque este partido permite que o povo participe da vida pública, e foi no momento em que este partido governou, que milhões de brasileiros saíram da invisibilidade”.

FRASE

“Esse partido é o maior instrumento democrático de todos os tempos da história do Brasil”

Rogério Carvalho, senador

Sobre as comemoração dos 40 anos do PT