- 23/04/2019 - 06:00

JB: até onde vai a força do ex-governador?



O colunista não se faz de rogado e acompanha todo mundo, mas todo mundo mesmo (ou quase), que escreve ou fala sobre política em Sergipe. Sei que corro o risco de deixar muitos de fora aqui, mas me arrisco assim mesmo. Cláudio Nunes, Jozailto Lima, Fábio Henrique, Diógenes Brayner, Joedson Teles, Junior Valadares, Habacuque Vilacorte, Rosalvo Nogueira, Kátia Santana, Gilmar Carvalho, Laelson Correia, Jason Neto, Edvanildo Santana, Genilson Máximo, Marcos Peris, Adriano Alves, Daniel Prata, Max Augusto, Eugênio Nascimento, Dênisson Ventura, Eugênio Santana, Jorge Reis, Max Ralin, Adeval Marques, Rita Oliveira, Nando Moreno, Edvar Caetano, Maiusane Matsunae, Gilvan Manoel, Cláudio Leite, Cesar Cabral, Paula Coutinho, Flavão Fraga, Gata Amarrada, Ricardo Marques, Prefeitinho, Alex Dias, Luiz Carlos Dussantus, Ferreira Filho, Geraldo Macedo, André Barros, Flávio Lima, Priscila Andrade, Paulo Souza, Marcos Couto, Welder Ban, Augusto Junior, Thiago Reis, Candisse Matos, Carlos Batalha, Cícero Mendes, Theo Batista, Marcos Aurélio, Jailton Santana, Edicarlos Queiroz, Adiberto Souza, Lomes Nascimento, Narciso Machado, Jairo Alves, Cesar Fontes, Vilânio, Roosevelt Santana, Rômulo Daltro, Ademir Henrique, Alex Henrique, Douglas Santos, Carlos Ferreira, Montalvão, Anderson Silva, Douglas Magalhães, Cássia Santana, Edelson Freitas, Claudomir Tavares, Gabriel Damásio, Nivaldo Cândido, Elder Santos… enfim (ou, ufa!), tem é gente matutando sobre política em Sergipe. Por isso mesmo que o colunista roga a toda essa turma: afinal, qual a razão do ex-governador Jackson Barreto (MDB) seguir tão forte e imponente nas principais administrações sergipanas? No caso da foto acima, com o prefeito aracajuano Edvaldo Nogueira (PCdoB) atendendo indicação de JB, a pedagoga Edivaneide Souza Paes Lima, para comando da Fundação Municipal de Formação para o Trabalho (Fundat), há um adendo importante: Jackson é tremendamente forte em termos eleitorais, especialmente em Aracaju. E 2020 é logo ali! Mas, e quanto a Belivaldo Chagas (PSD), governador que substituiu JB, dele recebendo um Estado bem “fraquinho”, pra dizer o mínimo? O que justificaria a presença onipresente de Jackson em seu governo, através do primo Bira Barreto na toda poderosa Sedurb, que substituiu a Seinfra, por sua vez retirando do governo de Belivaldo, de uma só vez, Valmor Barbosa, antes na Seinfra, e Olivier Chagas (PT), antes na Semarh? Isso sem falar em muitos outros nomes de JB que ocupam espaços no governo. Bom, levando em consideração somente a força eleitoral, Edvaldo age corretamente: nomeia nome de JB e angaria seu apoio para o ano que vem. Ok! Mas as dúvidas que o colunista insiste em compartilhar com tanta gente boa que avalia e analisa a política sergipana são as seguintes: se Belivaldo recebeu, administrativamente, governo eivado de problemas das mãos de Jackson, como nomear nome justamente de Jackson para pasta tão importante, ampla e decisiva em termos de uma necessária recuperação do Estado? Se JB não acertou os ponteiros do governo sob o seu comando, o que levaria nome – ou nomes – por ele indicado a acertar agora? E, por fim, na avaliação dessa turma toda, JB manda em Belivaldo Chagas (vamos simplificar com um básico BC?) ou seria tudo apenas fruto da imensa consideração e gratidão de BC por JB? E aí, pessoal, topam ajudar o colunista a tentar entender o que se passa para que JB se mantenha tão forte? Pra quem não quiser se expor, meu zap é 079 99818-5366. Simbora opinar?

PS

Caso eu tenha deixado algum nome de fora dessa imensa lista dos que interagem e opinam publicamente sobre a política sergipana, duas coisas: a primeira é um pedido de desculpas pelo meu esquecimento ou pela minha ignorância. E a segunda coisa: me corrijam enviando seus respectivos nomes e contatos, no caso da ignorância, ou me “puxem a orelha” virtualmente, via zap, no caso do esquecimento, ok?