Preocupação, um inimigo a ser combatido

“Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa? Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? “Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu lhes digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles. Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, não vestirá muito mais a vocês, homens de pequena fé? Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer? ’ ou ‘que vamos beber? ’ ou ‘que vamos vestir? ’ Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”. Mateus 6:25-34

 

Este é o primeiro texto de uma série sobre preocupação, com base nessa passagem do evangelho de Mateus. Hoje trataremos sobre os grandes problemas que a preocupação pode trazer para a nossa vida. No próximo texto, veremos porque não deveríamos nos preocupar e no terceiro e último texto, iremos pensar sobre como podemos vencer esse mal. Eu te convido, então, a me acompanhar nessa pequena, mas importante série, a fim de refletirmos sobre a preocupação.

Você já a conhece, e não só de ouvir falar.  A preocupação é aquele sentimento de inquietação provocado por um ou mais fatores que são antecipados em nossa mente e coração. Ela pode se manifestar como uma simples prevenção ou defesa, mas o mais comum é que ela se manifeste como uma angústia por antecipar algo do futuro para o presente, o que também chamamos de ansiedade. Esse tipo de preocupação é um grande inimigo para nós, especialmente para os cristãos.

Vamos ver, então, o porquê da preocupação ser tão maléfica para nós.  Antes de qualquer coisa, a preocupação é um pecado de desobediência à Deus. No texto acima, Jesus disse por três vezes “não se preocupem”. No versículo 25 ele disse para não nos preocuparmos com a própria vida. Mais pra frente, no versículo 31, o Senhor diz que não devemos nos preocupar com a manutenção da vida – com o que comer, beber ou vestir. E por último, no versículo 34, o Mestre nos exorta a não nos preocuparmos com o futuro. Estas são três das grandes preocupações que temos comumente. “O que será da minha vida? Como vou me manter? O que será de mim amanhã?” Esse tipo de preocupação é pecaminosa, pois Jesus disse que nós não deveríamos nos preocupar. Ele não fala num tom de sugestão, mas como uma ordem.

Também podemos listar uma série de consequências nocivas à nossa vida. A depressão é uma delas. A Bíblia diz que o coração ansioso deprime o homem (Pv 12.25). A ansiedade é capaz de mexer tanto com o nosso estado emocional que pode nos levar à depressão. Além disso, ela pode minar a nossa saúde física. Gastrite, úlceras, colites, taquicardia, hipertensão, cefaleia e alergias são alguns dos males que podem ser desencadeados pela ansiedade. Perceba que a nossa ansiedade precisa ser lançada sobre Deus, caso contrário, ela pode se tornar uma porta aberta para o Inimigo nos devorar (1 Pe 5.7-8). Deus é que quem cuida de nós, e o único que tem todo poder para nos garantir isso. Um pai terreno, por mais que deseje o bem do seu filho e cuide muito bem dele, ainda assim, não tem como garantir que a todo momento ele conseguirá cuidar e assegurar o bem do seu filho. Mas o Pai celeste, este sim! Creia nas palavras de Cristo, e não deixe de observar as aves do céu. “O Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas?” (v.36).

E veja bem, a preocupação ainda pode roubar a nossa felicidade. Pessoas que vivem preocupadas, geralmente são pessoas insatisfeitas, que reclamam da vida que possuem.  Precisamos entender que nem sempre teremos tudo o que desejamos, mas Deus nos promete que sempre teremos o que precisamos para viver, pois o Pai celestial sabe daquilo que necessitamos (vs. 32). Como disse o apóstolo Pedro, em sua segunda carta, Deus, por “seu divino poder nos deu todas as coisas de que necessitamos para a vida e para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude” (2 Pedro 1:3).

Portanto, devemos repensar seriamente sobre como estamos lidando com a preocupação. Se ela pode provocar tantos males à nossa vida, por que insistimos em alimentá-la dentro de nós? Será que, como um remédio que tem efeitos colaterais, esse sentimento pode ser útil para alguma coisa, e por isso, vale a pena sofrer os danos? Penso que não, mas sobre isso, veremos mais no próximo texto. Eu espero vocês! Que Deus nos abençoe! Paz e graça a todos em nome de Jesus.

Autor

Pr. Márcio André

Outras Notícias

voltar para página anterior