Tototó e geladinho de coalhada

Dia desses eu estava com um tempo livre (raridade nos dias da modernidade) e decidi fazer algo inusitado, algo que nunca mais havia feito e que me trouxesse romanticamente lembranças de tempos já idos. Depois de muito matutar, resolvi dar um rolê de tototó, atravessando o Rio Sergipe em direção à Barra dos Coqueiros.

Automaticamente, veio-me a memória afetiva de, quando criança, minha mãe me levar à casa de Tio Felinto. A princípio, eu nuca gostava da ideia, mas, ao entrar naquela embarcaçãozinha (sem depreciação), geralmente com cores em branco e azul, meu sorriso se alargava. Além disso, o barulho da água batendo na madeira do tototó me hipnotizava tal Ulisses ouvindo o canto das sereias.

Decidido a ir pro rolezinho, convidei meu filhote André Ribeiro pra me acompanhar nesta aventura. Ele aceitou e nos direcionamos ao atracadouro, que fica em frente ao mercado de artesanatos de Aracaju.

Entramos na nave náutica. A sensação de voltar no tempo é indescritível. O cheiro, as cores, o som. É uma experiência sinestésica singular. Aí veio o balanço do barco, provocado pela maré. Tudo me reportando à minha infância. André se retraiu diante dos primeiros balanços, mas depois ficou admirando a paisagem de Aracaju que se distanciava.

Ao chegar à Barra, teríamos um curto espaço de tempo antes do retorno. Pisando em solo, lembrei da casa de Tio Felinto e do cheiro da arabaiana assando. Eu não era chegado a peixe, mas aquele eu devorava.

Caminhamos pelo entorno à procura de um lugar pra degustar alguma coisa. Fomos a uma lanchonete onde se vendia caldo de cana e pastel. Olhei para aquele lugar, altamente organizado e limpo, e fiquei admirado com tudo. Quando, de repente, olhei para o freezer e vi geladinhos de vários sabores. Meu lado infância veio à tona e perguntei:

– Tem de quê?

É assim que sergipano busca saber os sabores de sorvetes, picolés e geladinhos.

O dono do estabelecimento, muito simpático, discriminou os sabores. Fiquei atônito ao descobrir que tinha geladinho de coalhada. Nunca mais ouvira falar nesse sabor. Coalhada. Comprei dez. Foi uma dezena de vezes que me permiti voltar a ser criança.

Ah, voltamos à beira do rio. Já havia um tototó à  espera. Serviço mais eficiente que a maioria dos transportes públicos da cidade.

Autor

André Brito

Outras Notícias

voltar para página anterior