Vacinem suas meninas para que não morram de câncer

A Organização Mundial da Saúde fez um alerta esta semana muito importante para a saúde das mulheres: o câncer de colo de útero é o que mais mata as mulheres no mundo. Apesar disso existe uma saída, vacinar as meninas a partir dos 11 anos contra o vírus do HPV, o papilomavirus humano, que possui mais 100 tipos dos quais 40 são responsáveis por infecções genitais e anais, e pelo menos 13 tipos podem produzir lesões que são portas abertas para o câncer.

A ciência já sabe que cerca de 80% das mulheres sexualmente ativas terão contato com o vírus em algum momento de suas vidas, logo após o início da atividade sexual.

O SUS já disponibiliza a vacina em todo o país, mas as mães e os pais parecem não ter consciência da importância da imunização. Hoje a taxa de vacinação é de apenas 14%, muito abaixo do que se espera para que essa doença não se torne uma verdadeira epidemia.

A vacina já foi aplicada em mais de 175 milhões de jovens e nenhuma reação adversa grave foi observada, apenas efeitos colaterais mais comuns.

A preocupação é com a saúde no futuro de milhões de mulheres que poderão ser vítimas de uma doença que atinge mulheres jovens adultas ou impedem que possam ter seus filhos.

Uma pesquisa muito importante realizada por cientistas britânicos concluiu que a vacinação de meninas de 12 e 13 anos contra o HPV reduziu as taxas de câncer de colo de útero em cerca de 87% na Inglaterra. O resultado desses estudos foi publicado no último de 03 de novembro último na revista “The Lancet”.

Isso demonstra que a vacinação pelo SUS é uma política acertada, e que os pais e responsáveis devem levar suas filhas aos postos de saúde para que sejam imunizadas. É um direito dessas meninas poderem evitar no futuro próximo serem vítimas de um câncer impiedoso, e que o Sistema Único de Saúde do Brasil tem compreendido e disponibilizado as vacinas.

Não escutem as vozes do atraso e da ignorância que vivem a divulgar mentiras sobre as vacinas. Vacinas salvam vidas, e o nosso país já foi um grande exemplo na luta contra várias doenças utilizando as vacinas.

A ciência deve ser vista como uma aliada da vida, esse direito garantido na Constituição Federal e que todos podem exigir do Estado a sua concretude.

Autor

José Anselmo de Oliveira

Outras Notícias

voltar para página anterior