Violência doméstica

“Eu odeio o divórcio”, diz o Senhor, o Deus de Israel, e “o homem que se cobre de violência como se cobre de roupas”, diz o Senhor dos Exércitos. Por isso tenham bom senso; não sejam infiéis. Malaquias 2:16

 

Nesta semana ficamos, mais uma vez, horrorizados com cenas lamentáveis de um famoso espancando sua esposa. No ano passado, vimos a repercussão de um pastor, que preparando-se para iniciar uma live em suas redes sociais, também agrediu sua mulher.

Infelizmente, esse tipo de violência acontece todos os dias dentro dos mais diversos lares, inclusive, em lares de cristãos – algo lastimável. Explico o porquê. Cremos, em linhas gerais, num padrão estabelecido por um Deus que odeia o divórcio, no qual, o melhor para qualquer família é a restauração do lar e não a quebra de uma aliança feita diante de Deus. Por isso, muitas mulheres, na busca por se parecerem com Cristo,  perdoam os seus maridos quando agredidas fisicamente. Sem contar a própria pressão social, fazendo com que muitas se preocupem com o que os outros irão pensar. Logo, o medo e por vezes, a dependência financeira, fazem com que muitas irmãs acabem convivendo com essa triste realidade. Isto é perigoso, uma vez que elas podem estar correndo sérios riscos de morte dentro do seu próprio lar.

De quantos feminicídios já ouvimos falar dos quais os culpados foram os maridos? E até pode acontecer o oposto – a mulher agredir o homem –, sendo isso igualmente errado e pecaminoso, porém, não podemos negar que os casos de violência doméstica contra a mulher são muito mais frequentes, trazendo muito mais comoção  social.

Portanto, esse meu texto pretende focar numa orientação para as mulheres, com a intenção de aconselhá-las, tendo em vista que são as mulheres  que sofrem muito mais com esse tipo de problema.

Minhas irmãs, tenho um conselho para lhes dar. Não se submetam a violência física por parte dos seus maridos simplesmente para manter o casamento. Deus odeia o divórcio, mas também odeia o homem que se cobre de violência.

Eu acredito que existem duas exceções bíblicas claras para o divórcio: a imoralidade sexual (Mateus 5.31-32) e o abandono por parte do descrente (1 Coríntios 7.15). Deus instituiu o casamento para que fosse indissolúvel (Gênesis 2.24), e declarou que odeia o divórcio  em Malaquias 2.16, entretanto, o divórcio foi permitido por Deus por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8). E por causa do pecado, os homens estavam abusando desse mecanismo e, por qualquer motivo, repudiavam suas mulheres, dando-lhes carta de divórcio. Jesus, então, para proteger as mulheres, estabeleceu a imoralidade com o único motivo para um homem se divorciar de sua mulher. A intenção era proteger as mulheres de serem abandonadas por seus maridos por qualquer razão.  Assim, devemos concluir que as mulheres precisam ser protegidas ainda hoje.

O caso de agressão física sofrida pelas mulheres por parte dos seus maridos, configura-se como uma distorção dos propósitos de Deus para o casamento e ainda revela um coração descrente por parte do esposo, pois cabe ao marido amar e proteger sua esposa, mas quando ele agride, demonstra um coração distante de Deus, que abandonou os princípios estabelecidos por Deus e mais, que abandonou sua própria esposa.

Há muitas divergências teológicas em relação ao tema do divórcio e novo casamento, no entanto, nenhum teólogo sério vai sustentar a ideia de que um casamento deve continuar se nele existe violência doméstica. Precisamos entender que existe uma certa hierarquia de importância para Deus, sendo a vida mais importante do que o casamento, pois sem vida não há casamento. O casamento, mesmo que dure até a morte, terá um fim, mas a vida que está em Cristo Jesus vencerá a morte e viverá eternamente. Além disso, Deus proibiu o assassinato (Gn 9.5-6, Ex 20.13), e uma agressão, pode desencadear ou anteceder uma morte.

Se você estiver sofrendo esse tipo de violência dentro de casa, procure ajuda, procure proteção, denuncie às autoridades para que seu cônjuge responda por seus crimes. Se você não souber como ou tem medo de fazer isso, procure seu pastor. Por certo,  ele te orientará e te ajudará a procurar pelas autoridades. Mas, por favor, pelo amor de Deus, não sofra calada.

Lembre-se que Deus odeia o divórcio, mas também odeia o homem que se cobre de violência. Que Deus lhe abençoe, te proteja e lhe dê a paz!

Autor

Pr. Márcio André

Outras Notícias

voltar para página anterior