Após morte de professora, Sintese acusa Seed de abuso de autoridade

Da redação, AJN1

 

Na manhã desta quarta-feira (6), o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Sergipe (Sintese) realizou um protesto em frente ao Centro de Referência de Educação de Jovens e Adultos Severino Uchôa, situado no bairro Getúlio Vargas, na capital, onde a professora Jucélia Almeida, que se suicidou, vinha sofrendo abuso de autoridade. A categoria é contrária a política exercida pela Secretaria de Estado da Educação (Seed).

 

Vestidos de preto os professores seguram em caminhada até a Diretora de Educação de Aracaju (DEA), onde procuravam respostas para o tamanho descaso e falta de humanidade por parte da direção do órgão, que levaram a professora Jucélia Almeida a retirar a própria vida.

 

O diretor do Sintese, Roberto Silva, disse que Jucélia tirou a própria vida depois de ter sido perseguida por muito tempo pela Seed e ter sofrido assédio moral por parte da secretaria. "Ela teve problemas sérios de saúde, ficou de licença médica e mesmo assim teve o seu salário bloqueado. Ela sofreu muito e injustamente. A Seed não tem mantido uma boa relação com o magistério e temos repúdio a atual política exercida pelo Estado”, disse.

 

Seed

 

A assessoria de Comunicação da Secretaria, informou que a Seed não irá comentar sobre o que está sendo argumentado pelo Sintese e que a professora Jucélia teve uma vida funcional instável e respondeu a vários procedimentos administrativos.