ARACAJU/SE, 19 de julho de 2024 , 23:52:42

logoajn1

Central dos Trabalhadores do Brasil realiza manifesto em frente à AlmaViva

Por AJN1

 

Descumprimento das leis trabalhistas. Este foi o principal motivo da manifestação orquestrada pelos representantes da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) na manhã desta sexta-feira (24), em frente à sede da multinacional especializada em telemarketing AlmaViva, situada no Bairro Industrial.

Para a CTB, os argumentos que versam sobre o descumprimento da lei trabalhista podem ser evidenciados em números. É que a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) informou aos sindicalistas que de outubro de 2014 a fevereiro de 2015, a AlmaViva recebeu 136 autos de infração. “É muita reclamação para uma única empresa”, disse Edval Gois, presidente da CTB/SE.

Os manifestantes também lembraram que ontem completou um mês da morte da funcionária Barbara Monique Soares Souza, de 32 anos, que veio a óbito dentro da empresa.

“Já somamos dois atos de manifesto em frente à sede da empresa. Lutamos para que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados e queremos chamar atenção da população e das autoridades para que situações como as que acontecem na AlmaViva não se repitam. Não há nada contra a empresa, apenas queremos que os trabalhadores sejam respeitados”, destaca Edval Gois.

Providências

Conforme o sindicalista, devido as inúmeras denúncias que chegam ao SRTE/SE, o órgão admitiu investigar a empresa italiana. O relatório será encaminhou ao MPT para apurar as condições de trabalho no local.

As reclamações dos trabalhadores, de acordo com a CTB, são baseadas em "desrespeito e abuso de poder hierárquico, desvio de função, descontos indevidos na remuneração, falta de pagamento de horas extras, irregulares na jornada de trabalho e pagamento no FGTS, atividades e operações insalubres".

AlmaViva

A AJN1 procurou a assessoria de comunicação da AlmaViva para falar sobre o manifesto, mas não conseguiu falar com ninguém via telefone até o fim desta edição.

 

Foto: Lindivaldo Ribeiro/CS

Você pode querer ler também