Especialista fala sobre aplicações que podem ajudar na aposentadoria

Por Wilma Anjos

Investir em aposentadoria é um tema que requer disciplina e educação financeira. O Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) é uma forma facultativa de previdência, que possibilita ao trabalhador acumular uma complementação de reservas para a sua aposentadoria. Mas, será que além do convencional Regime Geral de Previdência Social (RGPS/INSS) e do opcional RPPS, o trabalhador teria outra maneira de garantir uma seguridade a mais quando parar de trabalhar? O professor universitário e consultor em Marketing e Finanças, Renê de Oliveira, conversou com o Correio de Sergipe sobre aplicações tanto em ativos da renda fixa e variável, para quem já se preocupa com o afastamento das atividades remuneradas.  Ele, que é Bacharel e Mestre em Administração pela Universidade de São Paulo (USP) e Contabilista pela Universidade Estácio de Sá, alerta que é possível não apenas montar essa carteira com antecedência, como desmistifica que investir em Bolsa de Valores é coisa só para ricos. Acompanhe:

 

Correio de Sergipe: Desde a Reforma da Previdência, em 2019, o brasileiro depara-se com regras mais duras na aposentadoria. Que idade você recomendaria para iniciar os investimentos, pensando na fase pós-laborativa?
Renê de Oliveira
: O ideal seria que as pessoas começassem a investir a partir do momento em que começam a ter recursos. Para você ter ideia, nos EUA, adolescentes já investem na Bolsa de Valores com o que ganham de mesada dos pais.

 

CS: Na sua opinião, o brasileiro tem a cultura de poupar e consumir de forma consciente, com o foco no futuro?
RO:
Infelizmente, não! O brasileiro ainda precisa amadurecer muito nesse ponto. A nossa cultura ainda é do consumismo e de gastar mais do que ganha.

 

CS: Os ativos da renda fixa ainda parecem ser os preferidos, por serem investimentos mais seguros. Quais seus prós e contras?
RO:
Eles são preferidos por aqueles que possuem um perfil conservador, mas aqueles que possuem perfil mais agressivo, preferirem a renda variável. Os principais prós da renda fixa são a segurança e a uma certa garantia do retorno, e os principais contras são a baixa rentabilidade e a demora no retorno.

CS: Compor a aposentadoria com investimento na renda variável pode ser uma empreitada desafiadora para um leigo. Como fazê-lo?
RO: Tudo na vida é um desafio para quem é leigo. Por isso, o primeiro passo é adquirir conhecimento. E hoje em dia está muito fácil nessa área. Tem muito conteúdo bom e gratuito na internet. Começando com os que são disponibilizados pelas próprias corretoras de valores.

 

CS: A crença de que a Bolsa de Valores é um ambiente complexo, impossível de se ganhar dinheiro, tem razão até que ponto? Ou não tem?
RO: Isso é um Sofisma. Não é verdade! Caso contrário, não teriam tantos agentes ganhando dinheiro. O correto é dizermos que a Bolsa não é lugar para aventureiro e paraquedista.  É necessário conhecer a operação primeiro, para depois entrar nela.

 

CS: Investir em ações é só para ricos?
RO: Isso é outro Sofisma. Também não é verdade! Você pode começar a investir em ações com R$ 10, R$ 20 e R$ 30. Existe opções para todos os bolsos. A questão é: Quem tem mais dinheiro, está mais preparado para encarar as adversidades do mercado, por exemplo. Quem se dá melhor no alto-mar, um cargueiro ou um barco a remo? Uma onda forte pode virar um barco a remo, mas não vai virar um cargueiro.

 

CS: Então nos dê uma dica de onde aplicar: Quais companhias pagaram os melhores dividendos e juros sobre capital próprio [JCP] este ano?
RO:
Não conseguimos dizer ainda sobre este ano, mas podemos dizer de 2021. Segundo a Economatica Brasil*, a empresa que mais pagou dividendo e JCP foi a Unipar Carbocloro (UNIP6), seguido de TAESA (TAEE11) e Copel (CPLE6).

 

CS: Há rumores de regulamentação do mercado de precatórios para pessoa física. Essas dívidas podem render até 30% ao ano (mais que o dobro da taxa Selic atual e dos Tesouros Prefixados). Já dá para considerar esta opção ou ainda é muito cedo?
RO: Segundo o ditado, quem chega primeiro bebe água limpa. Mas com certeza existe um risco, pois ainda é necessária a regulamentação. Para quem não é avesso ao risco, é uma ótima oportunidade.

 

CS: O setor da construção civil foi um dos mais resilientes nos piores momentos da pandemia no país, mesmo com a alta nos materiais e escassez de insumos. Podemos considerar que a rentabilidade de um aporte no setor é garantida?
RO: Nada na renda variável é garantido. O que podemos dizer é que existe uma probabilidade maior de dar certo, devido a previsões e projeções que foram feitas. Lembrando que projeções e previsões sempre são feitas com base em dados históricos, ou seja, também não é uma certeza que vai dar certo.

 

CS: O agronegócio é outro setor que também chama atenção por seu crescimento. Ele é uma boa opção de investimento, tanto na renda fixa quanto variável?
RO:
As commodities agrícolas são negociadas apenas no mercado futuro, ou seja, investimento de renda variável e de alto risco.

[O sistema *Economatica é uma ferramenta para análise de ações e de fundos].