Líder do tráfico é preso e outro é morto durante operação “Os Intocáveis”

Da redação, AJN1

 

Na manhã desta terça-feira (28), a operação “Os Intocáveis” prendeu três pessoas, entre elas, um indivíduo acusado de ser o líder de uma associação criminosa responsável pelo tráfico de entorpecentes no município de Nossa Senhora das Dores. Outro comparsa acabou morrendo em confronto com os policiais.

 

O líder da quadrilha foi identificado como Emílio Garção de Jesus, 30 anos; além dos comparsas Elenilton dos Santos Souza, 43; e José Claúdia Ramiro, 35. O elemento morto foi identificado como Cleoni Correia dos Santos, conhecido como "Aleijado".

 

A operação, conduzida pela Delegacia Regional de Nosssa Senhora das Dores e pelo Departamento de Narcóticos (Denarc), iniciou-se há quatro meses após denúncias de tráfico de drogas na região do Médio Sertão.

 

O nome "Os intocáveis" foi dado devido ao grupo transitar entre as camadas de classe social mais alta da localidade, vendendo cocaína, droga com maior preço de venda. Foram apreendidos além de drogas, três armas de fogo e alta quantia em dinheiro.

 

Segundo a delegada do Denarc, Nalile Castro, "Binha" como é conhecido Emílio, foi preso ontem na primeira etapa da operação. "Ele foi detido no município de Siriri quando se deslocava para Dores. Fomos cumprir o mandado de busca e apreensão na residência dele e apreendemos 7 trouxas de maconha, 73 pinos contendo cocaína, 500 gramas de cocaína, 24 caixas de sulfato de magnésio (material utilizado para misturar na cocaína), uma balança de precisão, além da quantia de R$5.400,00 em dinheiro e R$ 18.000,00 em cheque", detalha.

 

Já na segunda fase da operação, deflagrada no início da manhã desta terça-feira, 28, foram presos em flagrante Elenilton dos Santos Souza, vulgo “Fifio”, 43 anos e José Cláudia Ramiro, 35 anos, pelo crime de porte ilegal de arma de fogo, também suspeitos de pertencer à associação criminosa. O delegado da Regional do Médio sertão, Fábio Santana destacou a participação de cada um.

 

"Durante abordagem às residências foram localizadas duas armas de fogo e cerca de 27 munições.  As investigações apontaram "Fifio" como braço armado do grupo e que emprestava o armamento para que outras pessoas pudessem cometer crimes na localidade, no cumprimento do mandado de apreensão foi encontrada a arma; já Claúdia é companheira de um ex-presidiário, alvo das investigações, mas esse estava ausente e ela assumiu a propriedade da arma", comenta o delegado.

 

Cerca de 50 policiais estiveram presentes na operação, dentre agentes do Complexo de Operações Policiais Especiais (COPE), Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (COPCI), Grupo Especial de Repressão e Busca (GERB), Delegacias de Propriá, Ribeirópolis, Aquidabã, Porto da Folha; além de militares do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq).

 

Com informações da SSP