ARACAJU/SE, 21 de maio de 2024 , 6:47:42

logoajn1

Campanha “Mulheres na Política” é debatida na Assembleia Legislativa

Foi lançada na manhã de hoje, 17, na Assembleia Legislativa de Sergipe, a Campanha "Mais Mulher na Política- A reforma que o Brasil precisa", com a proposta de acrescentar à Constituição Federal a paridade de gêneros nas vagas da Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas, Câmara Legislativa do Distrito Federal e Câmaras Municipais. O projeto é de autoria da senadora Vanessa Grazziotin com o apoio da senadora Maria do Carmo Alves. O prefeito João Alves Filho prestigiou a abertura da Audiência Pública que recebeu representação de mulheres em todas as esferas públicas.

Atualmente a lei exige 10% das candidaturas de mulheres no cenário político. Com a nova PEC, esse número subiria para 30% aumentando em cinco pontos percentuais a cada eleição. O embasamento é que a bancada feminina da Câmara dos Deputados Federais e do Senado Federal é formada por apenas 13 senadoras, das 81 vagas, e 51 deputadas dos 513 existentes.

O prefeito da capital sergipana endossou o apoio à Campanha e, durante discurso, enfatizou que as mulheres têm a cada dia ocupado um espaço maior no mercado de trabalho, mas que esse percentual está longe do adequado.

"Hoje temos mulheres pilotando aviões, dirigindo carretas, com a mesma capacidade que os homens, ou muito melhor. Acredito que existe a grande necessidade de que as mulheres se engajem ainda mais na política, pois são profissionais extremamente competentes. Na Prefeitura de Aracaju já fazemos isso há algum tempo, onde metade do secretariado é composto por mulheres, que são altamente capazes.", revelou o prefeito.

Primeira mulher no Brasil reeleita duas vezes como senadora, Maria do Carmo Alves disse que a caminhada para a transformação na política será longa, mas que já houve alguns avanços. "Me sinto uma mulher privilegiada, pois estou em meu terceiro mandato onde ser política não é uma profissão, é uma opção. Já conquistamos alguns direitos no quadro político e agora ansiamos por mais. Queremos a paridade entre homens e mulheres na política nacional", enfatizou a senadora.

Signatária da proposta da Emenda à Constituição, a senadora Vanessa Grazziotin falou que as cotas são necessárias para que a minoria seja tratada com igualdade. Segundado dados mostrados pela senadora, o voto da mulher corresponde a 52% do eleitorado e constitui a maior parte da população brasileira. Por isso, as vagas destinadas às mulheres na política não correspondem a relevância da mulher no cenário nacional.

"Nossa luta é pela democracia, pela participação e pelo fortalecimento do Poder Legislativo, no sentido de torna-lo mais representativo e próximo dos verdadeiros anseios de nosso povo. Nossas conquistas vão desde o direito de votar até a introdução na lei eleitoral das cotas de candidaturas. Mas é preciso avançar ainda mais. Temos uma organização muito sólida, a participação da bancada feminina tem sido forte e está passada a hora de fazer a reforma política que supere estas diferenças. Mais importante que se mobilizar, é sensibilizar os homens, porque é do voto deles que precisamos no Congresso Nacional para enfrentar a discriminação através da mudança da lei", ressaltou.

 

De acordo com a deputada estadual, responsável pela audiência pública, Goretti Reis, essa é a chance de chamar a atenção para a importância do debate quando o assunto são as mulheres na política. Para ela uma oportunidade de ter a voz feminina, outro olhar, um contexto de sociedade, de família de todas as situações por qual passa o país. “Essa voz e essa presença dentro desse espaço, levam mais experiência para que, nós mulheres, possamos avançar na melhoria do nosso país”, ressaltou.

 

Foto: Diógenes Di/CS

 

Você pode querer ler também