ARACAJU/SE, 24 de maio de 2024 , 7:43:00

logoajn1

Campanha “Motociclista Vivo” quer diminuir alto número de acidentes e mortes

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, Sergipe é o estado com maior média de motociclistas mortos ou com sequelas por causa de acidentes de trânsito. São mais de 17,6 óbitos para cada 10 mil motos, número quase três vezes maior que a média do Brasil (6,6).

Para chamar a atenção da sociedade, reduzir o índice de traumas e salvar vidas, o Governo do Estado, por meio de uma força tarefa envolvendo diferentes órgãos, lançou na manhã desta segunda-feira (3), a Campanha Motociclista Vivo. A solenidade foi realizada no Colégio Estadual Vitória de Santa Maria, no bairro Santa Maria, zona sul da capital.

A ação é desenvolvida pelo Sistema Único de Saúde de Sergipe (SUS/Sergipe), Secretaria de Estado da Saúde, Departamento Estadual de Trânsito (Detran/SE), Secretaria de Estado da Educação, e tem como grande foco conscientizar especialmente os condutores de motocicleta, e principalmente de ciclomotores, sobre os riscos da imprudência, além de reforçar a importância de uma pilotagem segura.

Os acidentes e mortes no trânsito envolvendo motocicletas e motonetas ultrapassam o número de mortes pelo câncer e estão sendo considerados como a doença do século, matando mais que agressões por armas brancas e armas de fogo.

De janeiro a junho de 2015, foram registradas no hospital João Alves 3.495 vítimas de acidentes motociclísticos. 40% dos traumatismos cranianos no hospital são em decorrência dos acidentes de moto. Além de todo o susto, transtorno e tristeza para os familiares e amigos, os acidentes custam caro para os cofres públicos.

O secretário de Estado da Saúde, José Sobral, informou que o Detran patrocinou a campanha, a Secretaria de Saúde mostrou os indicadores, as fotos, os médicos estão envolvidos no processo par conscientizar principalmente a população jovem, através das escolas para que eles sejam multiplicadores desta mensagem com seus amigos e familiares.

Internamento

No hospital João Alves, um paciente envolvido em acidente de moto, que seja submetido a uma cirurgia, por exemplo, fica, em média, 30 dias hospitalizado para sua recuperação. Isso representa um custo hospitalar aproximado de R$ 120.000,00. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o custo social de cada um desses pacientes é de, em média, R$ 952 mil aos cofres públicos, o que envolve atendimento pré-hospitalar, hospitalar, licença, aposentadoria, entre outros.

“Muitas dessas vítimas chegam ao Huse com sinais visíveis de embriaguez e, infelizmente, nos feriados prolongados e nos finais de semana, fatores como o excesso de velocidade aliados ao alcoolismo e à falta do uso de equipamentos de segurança obrigatórios, como o capacete, continuam provocando muitos acidentes com motos em Sergipe”, lembra o secretário de Estado da Saúde, José Sobral.

A Campanha Motociclista Vivo estará permanente nas escolas de forma educativa, mas ela será lançada também nos meios de comunicação, televisão, rádio, e mídia impressa. O CPtran, da Polícia Militar, também vai trabalhar fazendo blitz educativas e futuramente com blitz coercitivas.

Com informações da SES

Foto: Lindivaldo Ribeiro/CS

Você pode querer ler também