- 15/01/2018 - 17:44

Despressurização

“Em caso de despressurização da cabine, máscaras cairão automaticamente a sua frente. Coloque primeiro a sua máscara e, só então, auxilie quem estiver ao seu lado.” Quem costuma viajar de avião já ouviu muito essa frase, principalmente se o seu vôo tiver várias escalas ou conexões. É muito interessante essa orientação, pois parece uma dica egoísta, mas, na verdade, ela é bastante lógica e revela que se você não estiver bem, não poderá ajudar o outro. Portanto, ela tem o propósito de lembrar que você primeiro tem que se cuidar, estar seguro, estar no controle da situação, para que, então, possa ser útil àqueles que estão à sua volta.
Nos dias de hoje, é fácil perceber o quanto o homem se tornou amante de si mesmo, cumprindo-se o que as Escrituras Sagradas já previam. Ele busca os seus próprios interesses, corre atrás do que quer para si, independentemente de quantas pessoas tenha que machucar para isso; quer subir a qualquer custo, mesmo que precise usar a cabeça das pessoas como degraus. O que vemos, então, é uma busca desenfreada por coisas materiais. Porém, apesar de todo esse seu comportamento narcísico, o homem não parece cuidar-se de verdade, e ter uma preocupação real e inteligente para consigo mesmo é coisa rara. Poderia ser contraditório dizer isso num mundo onde a pregação do altruísmo é mais que necessária, porém, é preciso chamar a atenção do ser humano para si mesmo. Parece (apenas parece) que o homem tem se preocupado muito consigo mesmo, mas, na verdade, suas atitudes são de uma profunda demonstração de falta de autoestima.
Em certa ocasião, pediram a Jesus que resumisse os mandamentos divinos, e Ele disse: “O Senhor teu Deus é o único Deus; ama a Deus acima de todas as coisas, e ama ao próximo como a ti mesmo”. Observando essas palavras, percebemos que o amor ao próximo tem que ser como a nós mesmos, ou seja, o amor que sentimos por nós mesmos deve ser a referência, a base, o fundamento para amarmos outras pessoas. Talvez seja essa a causa do “amor desmedido” de muitas pessoas, pois, enquanto umas amam demais, outras amam de menos, e isso acontece porque elas não têm amor por si mesmo. É lógico que eu não pretendo aqui, nessas poucas palavras, tentar descobrir o porquê de tal descompensação, mas o que eu pretendo, sim, é convidá-lo a seguinte reflexão: Será que você se gosta de verdade? Será que você se aceita? Você conhece os seus próprios valores? Entendo que esse é o começo para uma vida a ser vivida de verdade. Se tiver respostas afirmativas para essas perguntas, então você será uma pessoa de bem com a vida e, conseqüentemente, uma pessoa essencial para os que lhe cercam, especialmente para aqueles que lhe são caros. Você será útil à sociedade, será uma pessoa que, de fato, faz a diferença.
Quem sabe a frase do início desse texto poderia ser assim: “Em caso de constatar algum defeito no seu irmão, cuide primeiro do seu, e depois o ajude a cuidar do dele”, ou poderia ser assim: “Em caso de querer amar demais aquele que está ao seu lado, ame primeiro a si mesmo, pois esse amor será a medida para amar o outro”.
É isso, gente. Até a próxima oportunidade (ou até o próximo vôo), se Deus disser que sim!