- 10/10/2018 - 16:39

Quem fica com o nosso melhor?

De tanto ouvir maridos reclamando de esposas, esposas reclamando de maridos, filhos reclamando de pais e pais reclamando de filhos, que eu fiquei com uma pergunta no ar: “Quem fica com o nosso melhor?”

Às vezes, ouço reclamações a respeito de uma pessoa que conheço, ou melhor, penso conhecer, e fico admirado, pois a pessoa que está sendo descrita por um familiar seu não parece ser a mesma que eu conheço. A pessoa que eu conheço é gentil, educada, aparentemente incapaz de magoar alguém; mas, de repente, me contam que aquela pessoa destratou, ofendeu alguém da família.

Como é que pode? Dupla personalidade? Não, acho que não. O que acontece é que, infelizmente, é comum o ser humano tratar as pessoas que mais gosta, de um jeito rude, sem cuidados. Dá a impressão que a pessoa pensa mais ou menos assim: “Quer saber? Já basta eu ter que aturar coisas que não gosto de certas pessoas para ser politicamente correto, ter que engolir certos desaforos para não perder o emprego. Por isso, em casa não tem essa não; se provocar leva, e se quiser é assim”.

Então acaba sobrando para o cônjuge, para os filhos, ou seja, para aqueles a quem mais amamos. Em contrapartida, as pessoas que mais nos afligem, nos magoam e, às vezes, até mesmo nos usam, são as pessoas que ficam com o nosso melhor: o melhor sorriso, o melhor da nossa educação, o melhor da nossa atenção, o melhor do nosso desempenho e ficam até com a maior parte do nosso tempo.

Acho que devemos refletir sobre isso. Tem marido que não conserta aquele bendito vazamento da pia (e olha que a esposa está pedindo a mais de um mês), mas se a vizinha pedir uma ajuda, ele vai naquela mesma hora. Também tem esposa que, para a família, cozinha de qualquer jeito. Mas se chegar uma visita, o atendimento é VIP: a melhor receita, o melhor aparelho de jantar, a famosa toalha de renda que ganhou da vovó. Mas… e a família? Será que não merece ter o melhor das habilidades dessa mãe?

Veja essa orientação do Apóstolo São Paulo: “Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente.” Pois, então, a nossa família tem que ficar com o nosso melhor. Não deixe o tempo passar sem que você perceba o que precisa melhorar no relacionamento com seu cônjuge e também com seus filhos. De que adianta você ser homenageado no trabalho, reconhecido como pessoa de sucesso nos seus empreendimentos, mas ser desaprovado dentro de casa?

É lógico que não sou a favor de que façamos as coisas de qualquer jeito na vida pública; também não estou dizendo que os “estranhos” devem ficar com o nosso pior. Mas uma coisa é certa: se tem alguém que não merece ficar com o nosso pior, esses são os nossos familiares, pois são eles os que enfrentam conosco os nossos mais difíceis momentos.

Um forte abraço e até a próxima se Deus disser que sim.