ARACAJU/SE, 18 de maio de 2024 , 3:54:36

logoajn1

Jornalista Enoque Araújo lança livro coletânea neste sábado, 12

Jornalista, professor, poeta, militante político e idealizador do tradicional e saudoso Forró do Candeeiro, Enoque Araújo, lança neste sábado (12), seu primeiro livro de coletâneas que reúne literatura de cordel, poesias e composições musicais. O evento acontece no Centro de Cultura e Arte da Universidade Federal de Sergipe (UFS) a partir das 17 horas.

Enoque conta que o “Brado Livre” é uma reunião de suas vivências e experiências dos últimos 30 anos quando teve a oportunidade de conhecer a fundo o Sertão nordestino, local onde viveu lutas e amores. 

“Em 1979, por perseguição política, eu fui transferido para a Bahia, onde tive a oportunidade de conhecer o berço de Canudos, e lá foi criado o movimento histórico Canudos do qual fiz parte. Desde então, passei a me envolver e escrever cordel, poemas e músicas que tratam do sertão nordestino, em especial o polígono da seca, sobre protestos e os amores que vivi”, explica o escritor que conta que este livro é a concretização de um sonho.

“Demorei 30 anos para lançar esse livro que junta todas as minhas obras, por isso que o nome escolhido para esta edição é Brado Livre. Nele, estão músicas minhas campeãs de concursos, a exemplo de Bradando, que ganhou o primeiro lugar no Festival Lagartense de Música Popular Brasileira (MPB) e que também inspirou o nome do livro, além dos cordéis e poesias. Ter esse livro em mãos é uma realização. Estou vivendo um momento muito especial de minha vida”, ressalta.

Depois desta primeira edição, Enoque já pensa em continuar escrevendo e em breve lançar outras obras. “Acredito que o Brado Livre é apenas o começo. Quero lançar outros livros, estou mais focado e motivado, porque isso para mim tem sido muito prazeroso. Estou vivendo um momento muito importante”, enfatiza.

Cordel

O primeiro cordel publicado de Enoque foi o “Povo, Governo e Anistia” em 1979, depois em 1982 lançou “Povo e a Seca”, inspirado na seca de Canudos tratando da necessidade da transposição de rios para o sertão, a exemplo do Rio São Francisco.  Em 1986 lançou seu terceiro cordel com o tema “Canudos não se rendeu” e em 2007 a ultima edição com o titulo “A mulher e o homem, uma obra de arte”, que trata das doenças sexualmente transmissíveis. 

 

“Não poderia faltar o bom e velho forró pé de serra, desta vez sem candeeiro, mas com todo animação de sempre. Com certeza esse lançamento será um momento de muita descontração e interação”, finaliza o escritor. 

 

Karla Pinheiro/CS

Você pode querer ler também