ARACAJU/SE, 22 de junho de 2024 , 0:30:07

logoajn1

Haddad descarta taxar importados de até US$ 50 para compensar desoneração

 

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse, nessa terça-feira (21), que a taxação de importados até US$ 50 não será uma das medidas para compensar o fim gradual da desoneração da folha de pagamento a 17 setores da economia.

Segundo o ministro, o valor que o governo receberia com a taxação das remessas internacionais “é muito menor” que a renúncia fiscal com a desoneração. Haddad falou a jornalistas na sede de seu ministério, em Brasília.

Em julho de 2023, a Receita Federal estimou que o impacto da isenção de impostos importados até US$ 50 seria de R$ 6,5 bilhões em 2024. Já a perda com desoneração da folha dos 17 setores é estimada em R$ 15,8 bilhões para o ano pelo Ministério da Fazenda.

“As medidas compensatórias já estão sendo remetidas para a Casa Civil”, afirmou Haddad.

O ministro afirmou que devem ser tornadas públicas na quinta-feira (23) ou na sexta-feira (24) no relatório que será enviado ao Senado por Jaques Wagner (PT-BA), líder do Governo na Casa Alta.

O senador petista já havia dito que as medidas devem sair nesse período. Portanto, a votação ficaria só para a semana seguinte.

O governo ainda quer tratar a desoneração da folha dos setores e dos municípios em um único PL (projeto de lei), apresentado em 15 de maio pelo senador Efraim Filho (União Brasil-PB).

O possível fim do benefício fiscal voltou a ser debatido no Congresso porque o relator do projeto de lei que institui o programa Mover, deputado federal Átila Lira (PP-PI), adicionou o fim da isenção fiscal ao texto do parecer que entregou à Câmara.

Entretanto, ainda não há acordo sobre a manutenção desse trecho. A expectativa é que seja votado nesta quarta-feira (22).

Reforma tributária

Haddad disse que o segundo projeto de lei complementar que regulamenta a reforma tributária deve ser entregue ao Congresso até 29 de maio, um dia antes do feriado de Corpus Christi.

“Deve ser antes do feriado, provavelmente”, declarou aos jornalistas.

Ao todo, serão três textos: dois projetos de lei complementar e um projeto de lei ordinária.

Os complementares vão tratar sobre:

– As especificações comuns ao Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e à Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) – este já está nas mãos do Congresso. Tem as definições de todos os regimes específicos e diferenciados dos tributos federais, dos estados e dos municípios. Fala também sobre o imposto seletivo;

– As especificações somente do IBS – definirá a formatação do comitê gestor do tributo. Aborda a transição do atual Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a nova alíquota.

– Já o terceiro texto – em formato de lei ordinária – deve detalhar como será feita a transferência de recursos para o Fundo de Desenvolvimento Regional como compensação dos benefícios fiscais. Também fica para um segundo momento.

Fonte: Poder360

 

Você pode querer ler também