ARACAJU/SE, 20 de abril de 2024 , 8:32:53

logoajn1

Preço da cesta básica em Aracaju segue com alta

Em julho deste ano, o conjunto de bens alimentícios teve um aumento de 0,68% e os “culpados” dessa alta, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) são: o feijão (7,90%), leite (3,79%), açúcar (3,42%) e o arroz (2,16%). Conforme pesquisa, o consumidor – no mês passado – teve que desembolsar R$379,29, o que correspondeu 46,85% do salário mínimo vigente que é de R$880,00.

 

Esse crescente custo da cesta básica em Aracaju é confirmado através do levantamento do Dieese, que revelou ainda que entre os meses de janeiro a julho de 2016, a capital sergipana aparece como a segunda com maior alta (24,05%), ficando atrás penas de Goiânia (26,49%). Ao total, foram estudadas 27 capitais do Brasil.

 

Alimentos que reduziram

 

Apesar de alguns alimentos terem seus preços elevados e contribuído na alta da cesta em Aracaju, outros apresentaram queda, a exemplo do tomate (6,36%), óleo (3,23) e manteiga (1,04).

 

Dados nacionais

 

De acordo com o levantamento do Dieese, as maiores altas no mês de julho ocorreram em Boa Vista (8,02%), João Pessoa (5,79%), Manaus (5,27%) e Maceió (4,50%). As retrações foram verificadas em Florianópolis (4,35%), Belo Horizonte (0,64%), Belém (0,60%), Porto Velho (0,56%) e Brasília (0,23%).

 

Já com relação as variações anuais (janeiro a julho), os menores aumentos ocorreram em Florianópolis (4,49%), Curitiba (7,26%) e Manaus (9,91%).

 

Por Aline Bittencourt

Você pode querer ler também