ARACAJU/SE, 15 de abril de 2024 , 10:35:24

logoajn1

Reabertura de fábrica de cimento colocará Sergipe entre os maiores produtores do NE

 

A Organização Polimix, que já está presente em Sergipe há 20 anos, com uma central de concreto pré-misturado na Região Metropolitana de Aracaju e com a fábrica da Mizu Cimentos Especiais no município de Pacatuba, em breve ampliará sua atuação no Estado com a abertura da sua segunda unidade industrial, em Nossa Senhora do Socorro.

O projeto prevê uma ampla revitalização e modernização da fábrica de cimento, desativada desde o ano de 2015, com um aporte de investimento na ordem de R$ 600 milhões de reais. São previstos a criação de 1.500 empregos diretos e indiretos quando a unidade fabril estiver totalmente em operação. Os trabalhos de revitalização e modernização demandarão a criação de pelo menos 500 postos de trabalho.

Nesta retomada do funcionamento da fábrica, agora com a marca Cimento Mizu, Sergipe vai voltar a ocupar um lugar de destaque na produção de cimento no Nordeste. Atualmente, segundo dados do Sindicato Nacional das Indústrias de Cimento (SNIC), o estado ocupa a terceira posição com 15% da produção, atrás do Ceará (23%) e da Paraíba (29%).

De acordo com o diretor da Polimix, José Antero dos Santos, a fábrica retomará suas operações com capacidade de produção superior a 1 milhão de toneladas, quantidade mais que suficiente para atender ao dobro da demanda de consumo de cimento do estado de Sergipe, que, segundo dados do SNIC, é da ordem de 450 mil toneladas por ano. O excedente da produção de cimento será destinado aos estados da Bahia, Alagoas e Pernambuco.

O início das operações está previsto para ocorrer até o final do segundo semestre de 2024.

Polimix

Presente em todo o Brasil e em países da América Latina e Estados Unidos, a Organização Polimix conta com uma estrutura abrangente e equipamentos de alta tecnologia para oferecer sempre os melhores produtos e serviços.

A Polimix atua nas áreas de concreto, cimento, logística a granel, argamassa, cal, energia renovável e economia circular.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Você pode querer ler também