Sergipe perde João Alves Filho, um grande homem público, que muito contribuiu para o desenvolvimento do estado. Saiba mais

Termoelétrica anuncia geração de mais mil empregos

O governador Jackson Barreto recebeu na tarde desta quinta-feira, 03, o presidente da Central Elétrica de Sergipe (CELES), Eduardo Maranhão, que anunciou o início da nova fase de construção da Usina Termoelétrica Porto de Sergipe, situada na Barra dos Coqueiros. O empresário afirmou que até dezembro a usina terá gerado 1000 empregos diretos, nesta fase de construção. O encontro ocorreu no Palácio de Veraneio, com a participação do vice-governador Belivaldo Chagas, o diretor de Operações da CELES, Edio José Rodenheber e secretários de Estado.

 

O governador Jackson Barreto afirmou que atualmente já trabalham na construção da usina 225 operários. Nessa nova fase da construção que se inicia, serão gerados mais 600 empregos até outubro, perfazendo 825 postos de trabalho e, até dezembro, serão 1000 trabalhadores empregados. “Até o final da obra teremos 2.500 sergipanos trabalhando na termelétrica, o que nos deixa muito feliz nesse momento de crise”, ressaltou, ao destacar que solicitou à empresa que a mão de obra fosse selecionada através do Núcleo de Apoio ao Trabalho (NAT).

 

Eduardo Maranhão disse que na reunião atualizou o avanço das obras da termelétrica, informando ao governador o estágio atual do empreendimento, principalmente em relação ao número de empregos gerados. Segundo o presidente da Central, existem atualmente 225 empregos diretos gerados na usina, em outubro o número vai passar para mais 600 e, até o final de dezembro, 1000 empregos serão gerados.

 

De acordo com o empresário, no pico do empreendimento, em outubro do ano que vem, serão 2.500 empregos diretos gerados. Segundo ele, a conclusão das obras está prevista para janeiro de 2020, “mas a empresa veio para ficar durante muitos anos”. “O nosso contrato é de 25 anos e a usina já contratou toda a capacidade de produção dela até o ano de 2044. Temos uma capacidade de 1500 megawatts de geração de energia elétrica. Isso equivale a aproximadamente o abastecimento de dois milhões de habitantes. É um investimento de longo prazo”, afirmou.

 

Responsabilidade social e cultural

 

Jackson Barreto revelou que a reunião serviu também para reforçar a consolidação da obra, com a apresentação do cumprimento de todo o cronograma planejado, bem como demonstrar a responsabilidade social da empresa para com o Estado. Ele disse que fez um pleito à termelétrica no que se refere a investimentos na área do meio ambiente, que é importante, mas também na área cultural.

 

“Recebemos a garantia de que serão investidos recursos para a reforma do Teatro Tobias Barreto, do Arquivo Público, da Biblioteca Pública do Estado e a contribuição para a reforma da Catedral Metropolitana”, ressaltou o governador.

 

Complexo de Energia

 

A UTE Porto de Sergipe integra o Complexo de Geração de Energia Governador Marcelo Déda e será a maior do gênero na América Latina. Irá receber um total de investimento de cerca de R$ 5 bilhões, o maior investimento feito pela iniciativa privada no Estado. A UTE, em funcionamento, gerará 1.700 empregos diretos.

 

A Usina está prevista para entrar em plena operação em janeiro de 2020, e terá a capacidade de gerar 1,5 mil megawatts (MGW) de energia elétrica. Para dimensionar o empreendimento deve-se assinalar que a UTE Porto de Sergipe poderá sozinha atender a 15% da demanda de toda a região Nordeste. Quando consolidado, é um projeto que equivale a Usina de Xingó.

 

Adicionalmente à UTE Porto de Sergipe, um terminal de regaseificação será criado e operado pela Golar na costa de Sergipe, próximo às instalações do TMIB – Terminal Marítimo Inácio Barbosa. A realização desse investimento abrirá grandes oportunidades de investimentos na cadeia produtiva de petróleo, gás e energia em Sergipe, inclusive em razão da oferta de gás natural que poderá ser fornecido a partir desse Terminal de Regaseificação.

 

O investimento recorde abrirá caminhos para outros investimentos. O Governo de Sergipe planeja ampliar a geração de energia termelétrica, utilizando gás natural, com os projetos Laranjeiras II e Marcelo Déda, também integrantes do Complexo de Geração de Energia, o que totalizará a geração de 3 GW. Ademais, funcionará também como um atrativo para investimento em outros setores de geração de energia renovável.

 

O governador Jackson Barreto classifica o projeto como um marco histórico para o Estado, pelos investimentos e pela cadeia de novos negócios a serem gerados com a chegada do projeto.

 

Em março, a UTE Porto de Sergipe voltou a ser notícia nacional. O jornal Valor

Econômico publicou que a americana GE Power Services assinou extensão do contrato com as Centrais Elétricas do Sergipe (CELSE) no valor de US$ 216 milhões. Com isso, o contrato total da General Electric (GE) com a Porto do Sergipe passa a US$ 1,116 bilhão.

 

O contrato prevê operação e manutenção, além de soluções digitais que poderão melhorar a eficiência da termelétrica Porto do Sergipe. De acordo com o Valor Econômico, a duração do novo acordo da GE com a Celse é de 25 anos.

 

A UTE Porto de Sergipe também aparece como responsável por boas perspectivas  econômicas para o Estado, sobretudo para o setor da construção, atividade que será incrementada durante a construção. O Governo do Estado de Sergipe vem manifestando especial interesse em potencializar a participação das empresas sergipanas no processo de implantação da Usina Termoelétrica Porto de Sergipe.

 

O Governo tem como propósito prioritário ampliar as oportunidades para que as empresas sergipanas possam atuar na cadeia de fornecimento do projeto, quer como fornecedoras diretas da GE ou da CELSE, ou mesmo das suas empresas contratadas.

 

PEDRA FUNDAMENTAL

Em 28 de setembro de 2016, a CELSE, sociedade de propósito específico criada pela britânica Golar GenPower e pela EBrasil – Eletricidade do Brasil, para construir e operar a UTE Porto de Sergipe lançou a pedra fundamental para a construção da UTE que integrará o Complexo de Energia Governador Marcelo Déda. Para construir a usina e fornecer a tecnologia necessária à conversão do gás em energia elétrica, a CELSE contratou a GE – General Eletric, empresa líder mundial do setor.

Fonte: ASN