Sergipe perde João Alves Filho, um grande homem público, que muito contribuiu para o desenvolvimento do estado. Saiba mais

Cope prende receptadores de carga roubada

 

Acusados de envolvimento em receptação de material roubado, Marcos Vinícius Milet, 49, Cleverton Aragão do Sacramento, 45, e Robson Silva Oliveira, 33, foram presos pela equipe do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope). Com eles, a polícia conseguiu recuperar vários aparelhos eletrônicos – notebooks e impressoras – roubados no mês de fevereiro na cidade alagoana de Pilar.

De acordo com o diretor do Complexo, delegado Dernival Eloi, Marcos foi o primeiro a ser preso e a partir dele as investigações levaram aos demais suspeitos. O acudsado foi preso no centro comercial de Aracaju, quando tentava vender um notebook novo sem nota fiscal. “Recebemos uma denúncia informando que o Marcos estaria comercializando um notebook roubado. De posse das informações, seguimos em diligência até o local e flagramos o acusado tentando vender o aparelho”, disse o delegado.

Na abordagem, o acusado negou que o aparelho era roubado, mas depois que foi realizada uma consulta através do número do serial do aparelho, ficou constatado que fazia parte da carga de eletrônicos, avaliada em R$ 1,5 milhão, roubada no dia 10 de fevereiro em Alagoas. Ao ser interrogado, Marcos apontou Cleverton Aragão, o “Pinguim” como sendo o homem que lhe vendeu o notebook.

A equipe do Cope seguiu até o endereço de Cleverton, no bairro América, e efetuou a prisão do acusado, que estava de posse de outras mercadorias roubas e indicou o deposito onde estava armazenado outros notebooks. As investigações prosseguiram e na casa de Robson foi recuperado 25 notebooks e uma impressora – produtos que também faziam parte da carga roubada em Alagoas. Na versão do acusado, o material pertencia ao seu patrão, o ex-vereador da cidade de Macambira Almiro de Souza Ramos.

Como Almiro não foi preso em flagrante e se apresentou no Cope juntamente com um advogado, ele prestou esclarecimentos e foi liberado. “Ele alegou que pagou o valor de R$ 1,5 mil por cada computador e que o produto tinha sido adquirido em uma feira localizada na cidade de Maceió. Possivelmente há mais pessoas envolvidas nesta associação criminosa e os trabalhos ainda continuam no intuito de conectar as informações com investigações em andamento em outros Estados. A população pode auxiliar denunciando, caso tenha informações sobre os envolvidos ou suspeitem da venda de eletrônicos de preço muito abaixo do mercado”, destacou o diretor do Cope, Dernival Eloi.