Corpo de idoso decapitado permanece sem identificação no IML

 

Da redação, AJN1

O corpo do idoso Elias Sebastião da Silva, 66, que foi foi morto por espancamento e golpes de facão, e depois teve a cabeça decepada e foi carbonizado, permanece no Instituto Médico Legal (IML) de Aracaju, aguardando a realização de exames para ser oficialmente identificado. A dificuldade para liberação do corpo ocorre em virtude dos documentos da vítima terem sido destruídos durante o incêndio e das condições em que foi encontrado.

O crime aconteceu na quarta-feira (3) na residência do idoso na avenida F no conjunto João Alves Filho, em Nossa Senhora do Socorro, mas a cabeça dele foi encontrada pela equipe da Perícia Técnica no imóvel vizinho, onde possivelmente dois dos cinco envolvidos no assassinato residiam.

O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), através da Divisão coordenada pela delegada Thereza Simony. Ela já ouviu vizinhos e familiares e dois dos cinco envolvidos no homicídio já foram identificados.

Os primeiros levantamentos apontam que o assassinato foi praticado por cinco homens, mas ainda não se sabe qual foi a participação efetiva de cada um deles no ocorrido. A princípio, dois teriam praticado a execução, enquanto os comparsas apenas assistiram ao crime, praticado com frieza e requintes de crueldade.

Na versão da filha do idoso, ela chegava em casa acompanhada do filho e da companheira dele, que está grávida, quando se deparou com os criminosos. Eles fizeram ameaças e ainda agrediram a nora dela. Quanto a motivação do crime, os familiares não sabem a que atribuir. No entanto, informações passadas a polícia indicam que o ocorrido pode ter relação com um desentendimento relacionado a som alto.