ARACAJU/SE, 18 de julho de 2024 , 7:32:48

logoajn1

PC prossegue com investigações de incêndio à Câmara de Cristinápolis para identificar mandante

Do AJN1, Ailton Sousa

 

Depois de identificar e indiciar os quatro envolvidos no incêndio que foi alvo a Câmara Municipal de Cristinápolis, a Polícia Civil trabalha para identificar quem foi o mandante da ação criminosa. Participaram diretamente do crime os vigilantes José Erivaldo Arruda Sobral, o “Ero”, 31, – responsável pelo incêndio -, e Israel Marciano do Nascimento, 28, e os servidores municipais Desiraldo Santos Silva, o “Cinho”, 30, e Josivan de Jesus Santos, o “Bolinho”, 34, – que são lotados no gabinete do secretário de Transportes de Cristinápolis.

 

Nos depoimentos, os acusados não informaram se foram contratados ou se estavam cumprindo ordens de alguém. Embora o delegado não queira se pronunciar sobre o possível envolvimento de políticos ou de pessoas ligadas ao prefeito de Cristinápolis, o fato de que duas, das quatro pessoas indiciadas no crime, são lotadas no gabinete da Secretaria de Transportes, de onde também foram retirados os veículos usados na ação, acabam fazendo está relação.

 

“Digamos que seria uma interpretação política a este fato criminoso. Sou um técnico em segurança e não vou fazer esta avaliação. O que posso dizer é que quatro envolvidos são servidores da Prefeitura e existem fortes indícios que os veículos usados são da Secretaria de Transporte”, explicou o delegado.

 

Elucidação

 

O incêndio a Câmara de Cristinápolis aconteceu na madrugada do dia 12 de fevereiro, horas antes dos vereadores iniciarem a votação do processo de cassação do prefeito Raimundo da Silva Leal, o “Padre Raimundo”. De acordo com o que foi apurado, no dia do ocorrido, Erisvaldo estava em casa, quando foi procurado por Desiraldo que alegou ter um serviço para ele fazer. Os dois acusados rumaram até um ermo, próximo a Câmara de Vereadores, onde Israel e Josivan, os aguardavam, em uma moto de cor preta, de posse de um recipiente de cinco litros de gasolina.

 

A informação é que teria sido neste momento que Erivaldo soube que teria como missão atear fogo no prédio da Câmara. Para ter acesso ao local, eles quebraram a porta de vidro com uma pedra e percorreram algumas salas, até chegar ao arquivo, onde imaginavam encontrar o processo de cassação do prefeito, e atearam.  “Eles espalharam o combustível pelo corredor, dando a entender que iriam buscar outros pontos para atear fogo e foi ai que aconteceu o acidente”, comentou o delegado.

 

Com a roupa impregnada pela gasolina, Erivaldo foi alcançado pelas chamas e acabou ferido. O vigilante foi socorrido e encaminhado a Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Enquanto Israel, Desiraldo e Josivan deixaram o local em duas motos, que seriam da Secretaria de Transportes.

 

De acordo com Paulo Cristiano, as imagens das câmeras de segurança do Banese, apesar de não serem conclusivas, auxiliaram nas investigações. “Percebemos que foi queimado o arquivo, que fica no gabinete da presidência da Câmara, a cozinha e o corredor, mas o plenário e o restante do prédio permaneceu intacto, dando a entender que houve uma desistência, provavelmente por causa de um acidente”, explicou o delegado.

 

A equipe da Delegacia de Cristinápolis passou a realizar levantamentos em hospitais da região e, depois do contato com a rede de saúde do Estado, tomou conhecimento que havia uma pessoa do município com ferimentos graves em quase 100% do corpo internada na UTQ do Huse. Com a localização de Erisvaldo, que permanece internado, foi possível identificar os outros envolvidos diretamente no incêndio criminoso. Na conclusão do inquérito, o delegado solicitou as prisões de Desiraldo, Josivan e Israel.

Você pode querer ler também