PC trabalha para identificar beneficiados na fraude de certificados

 

Da redação, AJN1

Após as prisões de Igor Lemos Soares, 22, e Manilson Correira Santos Júnior, 28, que são acusados de falsificar e comercializar certificados de conclusão de ensino médio, a equipe da Delegacia de Defraudações e Crimes Cibernéticos trabalha para identificar as pessoas que foram beneficiadas com a fraude. Além disso, as instituições de ensino que foram alvos dos acusados serão notificadas. A dupla foi presa pela equipe da Delegada Geral da Polícia Civil em uma residência no bairro Jabotiana e, depois de autuada em flagrante, foi liberada após o pagamento de fiança no valor de R$ 1.874, arbitrada para cada um dos acusados na audiência de custódia.

A polícia chegou até os suspeitos depois de receber denúncias sobre a comercialização de certificados de conclusão de ensino médio falsificados. Nos levantamentos realizados, a equipe da Delegada Geral da PC localizou um imóvel no conjunto Sol Nascente, que servia de base para montagem dos documentos fraudados. No local, a dupla foi presa e apreendido três certificados falsificados, um notebook, dois carimbos e um pendrive com arquivos contendo layouts de documentos de uma instituição de ensino da capital.

Os acusados foram encaminhados até a Delegacia de Crimes Cibernéticos, as investigações iniciam agora a partir do depoimento dos suspeitos. “Igor era responsável pelos contatos com os clientes, via redes sociais, bem como acerto dos valores, e entrega dos produtos em local público; e Manilson, design gráfico, era o encarregado de confeccionar os certificados”, explicou a delegada Rosana Freitas, acrescentando que os compradores dos documentos falsificados, que eram beneficiados com o esquema fraudulento, também cometeram crimes e as penas podem chegar até a seis anos de prisão.