ARACAJU/SE, 18 de junho de 2024 , 0:45:32

logoajn1

Amorim sobre vitória de Aécio: “Não é papel do Legislativo fazer julgamento”

Da redação, AJN1

O Senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) foi categórico ao justificar seu voto que ajudou a derrubar, por 44 votos a 26, a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que havia determinado o afastamento de Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato. A polêmica sessão ocorreu na última terça-feira (17).

Com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS, Aécio foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. De acordo com a PGR, o Aécio pediu e recebeu R$ 2 milhões da JBS como propina. A PGE afirma ainda que o tuacano atuou em conjunto com o presidente Michel Temer (PMDB) para impedir o andamento da Operação Lava Jato.

“Não é o papel do Legislativo fazer qualquer tipo de julgamento. Quem julga é o Poder Judiciário. Nós não julgamos Aécio Neves, nós julgamos foi a devolução ou não do mandato. Todos sabem que existem vários parlamentares em todo o país respondendo a processos e nem todo processado quer dizer condenação. Lembrar que o Estado Democrático de Direito defende o direito do contraditório e a ampla defesa. Tem que se seguir o que diz a Constituição. O caso de Aécio não é o único. Que a Justiça o condene ou o absolva. Respeito quem pensa diferente e repito: não absolvi ninguém. O povo de Minas Gerais terá a oportunidade de retirá-lo ou reconduzi-lo ao cargo no ano que vem”, afirmou Eduardo Amorim.

Além de Amorim, votou a favor do mandato de Aécio a Senadora Maria do Carmo (DEM-SE). O Senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) posicionou-se pela derrubada do cargo.

 

Leia também: Veja como votaram os senadores sergipanos na sessão que “salvou” Aécio Neves

Você pode querer ler também