“Candidatíssimo”, afirma Márcio Macêdo após visita a Lula

Da redação, Joângelo Custódio

O vice-presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) e pré-candidato a deputado federal por Sergipe, Márcio Macêdo, visitou na tarde dessa quinta-feira, 19, ao lado do empresário Paulo Okamotto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba (PR).

O sergipano saiu otimista depois da visita, ao externar à imprensa, durante entrevista coletiva improvisada em frente à sede da PF, que o líder petista é “candidatíssimo” e que “está com energia e vontade de voltar a ser presidente”.

Macêdo confirmou que Lula vai registrar sua candidatura no próximo dia 15 de agosto. “Lula está triste pelo que estão fazendo com o povo brasileiro, com as políticas que estão em curso para desmontar o País. Porém, ele está numa energia, numa vontade de voltar a ser presidente da República muito grande. Ele é candidatíssimo. Dia 15 vai registrar a sua candidatura e está com muita animação para ser candidato”, afirmou.

Foto: Reprodução/TV PT

Lula pediu para que a cúpula do PT cuide das alianças políticas, classificadas pelo ex-presidente como “importantes”. “Ele nos pediu para intensificar as nossas conversas com o PCdoB, Pros, PSB e o PCO, que é muito importante ter um leque de aliança. A prioridade é a aliança nacional formal, então, nós vamos trabalhar para que o PSB esteja na aliança formal junto com o PT. A candidatura de Lula é a prioridade, então, os Estados sabem disso. A prioridade é o presidente Lula para botar o País nos trilhos novamente”.

Lendo e escrevendo

Na prisão, Lula evidenciou aos amigos que tem lido bastante e escrevendo muitos artigos, além de preparar as diretrizes do seu Plano de Governo. “Ele pediu para dizer que está bastante focado, escrevendo, lendo bastante e preparando as diretrizes do Programa de Governo. A palavra de ordem é cuidar do Plano de Governo, da pré-campanha e botar a campanha na rua, porque ele é candidatíssimo”, reafirmou.

Direitos políticos

Durante a entrevista, Márcio explicou que o fato de Lula estar preso não implicaria ele fazer campanha nas ruas ou participar de debates com os outros candidatos. “A prisão dele não aprisiona os direitos políticos, é uma questão que a Justiça precisa resolver. Ele é pré-candidato e os advogados estão pedindo o direito de expressão, direito de participar de sabatina, ir a debates em televisão, inclusive, de ser solto. Como diz um ditado popular, ‘cada dia com a sua agonia’, vamos tomar as providências que cabem no presente e aguardar o futuro, porque estamos otimistas de que ele será solto, porque é inocente e estará candidato. É o desejo do povo brasileiro”, retrucou.

Prisão

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, desde o dia 7 de abril, por determinação do juiz Sérgio Moro, que determinou a execução provisória da pena de 12 anos de prisão na ação penal do triplex do Guarujá (SP), após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça.