ARACAJU/SE, 3 de março de 2024 , 19:21:14

logoajn1

Delegada geral diz que políticos não interferem nas investigações

 

Da redação, AJN1

A delegada geral da Polícia Civil (PC), Katarina Feitosa, afirmou hoje (29), durante entrevista a uma emissora de TV local, que a classe política sergipana não interfere ou estabelece qualquer tipo de pressão para prejudicar o processo de investigação do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap).

“A Polícia Civil hoje não sofre qualquer tipo de interferência política com relação a qualquer tipo de investigação criminal. Posso garantir à população que todos os crimes de colarinho branco serão investigados e a população terá conhecimento ao final da investigação. Não temos interesse algum de encobrir qualquer tipo de delito”, asseverou ela.

A resposta, enfática, preenche as lacunas interrogativas soltas ao vento por determinadores setores da imprensa e de políticos, quando levantaram a suspeita de o Deotap estar sofrendo represálias em virtude do exitoso processo de investigação que culminou com o escândalo das verbas de subvenções, destinadas pela Assembleia Legislativa a entidades do terceiro setor por indicação dos deputados; e das operações “Indenizar-se”, que apura o pagamento de verbas de indenização respaldadas em contratos fictícios de locação de veículos e de assessoria jurídica da Câmara Municipal de Aracaju; e Antidesmonte, iniciada para assegurar a legalidade do processo de transição da gestão municipal em todo o estado de Sergipe.

Sobre a Operação Antidesmonte, Katarina disse que a força tarefa criada para agilizar o caso será mantida.
“A força tarefa será mantida. O Deotap continua. O MPE e o TCE identificaram as irregularidades e todo esse material foi encaminhado ao Deotap, o que originou em 17 inquéritos. Como a demanda da Deotap é alta, e são inquéritos que demandam uma tensão muito específica, porque existem análises de documentos, e muitas informações ainda estão chegando ao Deotap, então, os delegados que presidem o inquérito vão precisar de mais tempo para analisar o material. Nós estamos aguardando que o acervo probatório seja mais robusto e contundente. Essa equipe vai continuar com toda a estrutura”, assegurou ela, ao reafirma que a coordenadora do Deotap, delegada Danielle Garcia, fica no cargo.

Redução de homicídios

De acordo com a delegada, houve redução no número de homicídios na comparação dos meses de abril e maio deste ano. Foram 75 neste mês, contra 99 mês passado. “Continuamos com o GGO [Grupo de Gestão Operacional], com reuniões realizadas semanalmente e de forma integral, presidida pele secretário da SSP, João Eloy, visando trabalhar de forma integrada, verificar as manchas criminais e trabalhar de forma inteligente. Nós estamos vindo de uma baixa no índice de homicídios. É um número considerado. Lógico que não é aquilo que a gente quer, a gente queria que não tivesse nenhum homicídio”, concluiu.

 

Você pode querer ler também