ARACAJU/SE, 17 de junho de 2024 , 22:53:00

logoajn1

Edvaldo sanciona lei da revogação do aumento do IPTU

 

Na manhã desta quarta-feira (27), O prefeito Edvaldo Nogueira sancionou a lei que revoga o aumento anual de 30% do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e concede um desconto linear de 15% no valor venal de todos os imóveis de Aracaju. A propositura, que foi aprovada ontem pela Câmara de Vereadores e que será publicada no Diário Oficial do Município, normatiza ainda futuros ajustes no valor do tributo – estabelecendo um limite de até 5% mais a correção inflacionária.

“Este é um momento importante da nossa gestão. Ao sancionar esta lei, estou honrando o meu compromisso com os aracajuanos de revogar a lei da gestão passada que criou um aumento anual de 30% no IPTU até 2022. Além disso, esta nova lei faz mais: dá um desconto de 15% no valor venal de todos os imóveis. Outro ponto importante da lei é criar um mecanismo de reajuste do tributo. Ou seja, não será mais alterado pela vontade deste ou daquele gestor, mas respeitará uma legislação”, afirmou o prefeito, que sancionou a lei ao lado do líder da bancada governista na Câmara, vereador Antônio Bittencourt, e do secretário de Governo, Carlos Cauê.

O projeto da revogação do IPTU foi aprovado por 14 votos na Câmara em sessão que se estendeu por toda a terça-feira, 26. A proposta é fruto de um estudo de técnicos da Secretaria da Fazenda da capital, que realizaram uma avaliação aprofundada da situação da planta de valores e da cobrança do imposto na cidade. Identificadas as distorções e considerando a queda no valor de mercado dos imóveis nos últimos anos em decorrência da crise econômica do país, o estudo encontrou as seguintes soluções: revogar o aumento anual de 30%, estabelecido na gestão passada e que teria validade até 2022; estabelecer um desconto linear de 15% para todos os imóveis da cidade, e criar uma fórmula para correção do valor venal, que se encontra defasado.

“Se esta lei não fosse aprovada, o cidadão ficará sujeito à cobrança do aumento de 30% anual até 2002. Não é isso que queremos. Nós encontramos uma saída que acaba com este reajuste e corrigirá as desigualdades existentes. Nós deixamos de arrecadar cerca de R$ 20 milhões. Isso para cumprir aquilo que prometemos. Mas não podemos deixar de cobrar o imposto, porque é com o IPTU que pagamos salários, que pagamos fornecedores, que limpamos a cidade, que estamos recapeando Aracaju. Estas ações são feitas com recursos próprios, que são gerados justamente de tributos como o IPTU”, ressaltou Edvaldo.

Com informações da PMA

 

Você pode querer ler também