ARACAJU/SE, 28 de fevereiro de 2024 , 9:43:22

logoajn1

Ezequiel exalta eficiência da PC sobre simulação de vandalismo em Capela

 

Da redação AJN1,
Joângelo Custódio

O ex-prefeito de Capela, empresário Ezequiel Leite, ligado ao PSC, concedeu entrevista ao portal AJN1 no final da tarde desta quinta-feira (30). Ele comentou o laudo pericial e as confissões arroladas no inquérito divulgados hoje pela Polícia Civil, apontando que o ato de vandalismo ocorrido na sede da Prefeitura de Capela, um dia antes da nova gestora, Silvany Sukita, assumir o posto, foi forjado. No dia 2 de janeiro, Silvany foi à imprensa denunciar que encontrou seu gabinete, e as salas da secretaria de obras e do arquivo completamente reviradas, com papeis espalhados pelo chão, documentos roubados e fiação do sistema de internet cortado. À época, ela acusou Ezequiel de ser o mandante da baderna.

Mostrando-se aliviado e ao mesmo tempo entristecido com o ocorrido, o ex-prefeito parabenizou a ação da Polícia Civil e voltou a afirmar que manterá o processo contra Silvany, classificada por ele de “malandra” e “ex-presidiária”. “Parabenizo a atuação da polícia, mas fico muito triste com isso, porque Capela volta às páginas policiais. Eles me acusaram publicamente e eu vou manter o processo contra eles. Silvany já entrou na Prefeitura com malandragem, enganando, mentindo”, comentou ele.

Ezequiel frisou ainda que não tem dúvidas do real objetivo da “calúnia”. “O objetivo deles era entrar em estado de emergência sem necessidade, porque eu entreguei a cidade com salários em dia e fornecedores pagos, frota de veículos funcionando perfeitamente, então, eles queriam o estado de emergência porque poderiam fazer contratação por dispensa de licitação”, afirmou.

Para Ezequiel, Silvany — que é esposa de Manoel Sukita, ex-prefeito e atual secretário da Prefeitura —, faltou com respeito não só com ele, mas para com o povo de Capela. “Isso é falta de respeito com o povo de Capela. Isso é experiência deles com a cadeia. Já que não tiveram motivos, inventaram. Deixei a Prefeitura com saldo de R$3 milhões, pronta para progredir. Esses malandros me acusaram e hoje a polícia me dá razão. Sergipe conhece Silvany e seu marido, os ex-presidiários. Não preciso falar mais nada”, cutucou ele, lembrando do episódio em que Silvany e Sukita foram presos suspeitos de lavagem de dinheiro.

Nova candidatura

Perguntado se teria fôlego de voltar a ser prefeito de Capela, Ezequiel foi categórico. “Voltei a administrar minha empresa. Saí da Prefeitura há menos de três meses e estou curtindo a vida de empresário novamente. Ainda é cedo para quaisquer possibilidades. Deixe eu curtir minha vida de empresário. Admiro a classe política, conheci pessoas humildes quando fui prefeito. Por enquanto vou ficando por aqui”, limitou-se.

 

Você pode querer ler também