ARACAJU/SE, 22 de fevereiro de 2024 , 23:38:21

logoajn1

Fechamento do escritório da Petrobras em Aracaju vai gerar problemas socioeconômicos, afirma diretor do Sindipetro

Da redação, AJN1

O diretor do Sindicato Unificado dos Trabalhadores Petroleiros, Petroquímicos, Químicos e Plástico nos Estados de Alagoas e Sergipe (Sindipetro), Bruno César Saraiva Dantas, esteve no plenário da Assembleia Legislativa na manhã desta quinta-feira (26), a convite da deputada Maria Mendonça, para um pronunciamento contra o fechamento do escritório da Petrobras, situado na rua Acre, em Aracaju. A possibilidade de a sede administrativa fechar as portas foi sinalizada pela estatal, após avaliar medidas de redução de custos, mas ainda não há nada definido.

Segundo o sindicalista, desativar o escritório trará sérios problemas socioeconômicos. “Para o estado de Sergipe o fechamento é amplamente frustrante. Para os trabalhadores, o impacto será imediato, com a perda de 1.200 empregos diretos. Precisamos perceber os desempregos indiretos que a própria cadeia econômica e social da Petrobras envolve, seja fornecedores, seja rede hospitalar de médicos credenciados, escolas particulares, hotéis, restaurantes, entre outros fornecedores envolvidos. Essa decisão do governo federal só engrossa a fila do desemprego no estado. Sergipe já amarga a quinta posição de número de desempregados proporcional no país, esse número só crescerá”.

O diretor do Sindipetro lembrou ainda que em janeiro deste ano, a Petrobras decidiu hibernar a Fafen, e que atitude provocou o desemprego direto de 700 empregados de unidade no Vale do Cotinguiba. “É perceptível um processo crescente de desmobilização e desmonte da Petrobras em Sergipe. Há uma ação pontual, e já se percebe que o próximo fechamento em Sergipe será a sede da Petrobrás no Tecarmo”, alertou.

Ato

Bruno Saraiva disse que a classe, em comunhão com Centrais Sindicais, realizará um grande ato público, com a possibilidade de uma greve geral, agendada para o dia 3 de outubro.

União

A deputada estadual Maria Mendonça defende que toda a classe política sergipana se una para impedir a desativação da sede. “Esperamos que toda a classe política e os colegas parlamentares se unam por essa causa. Essa ideia de encerrar a Petrobras em Sergipe nos deixa estupefata. A causa independe de partido político, uma vez que empresa é de interesse do povo de Sergipe”.

O deputado Iran Barbosa sugeriu que o debate fosse ampliado entre governos, pois o assunto da Petrobras está atingindo outros estados. “A medida tomada pelo governo federal irá enfraquecer a região Nordeste, portanto, é uma situação de interesse nacional”, avalia.

Você pode querer ler também