ARACAJU/SE, 21 de junho de 2024 , 23:53:31

logoajn1

Lula pressiona sindicatos por fim de greve na educação superior

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cobrou “coragem”, nesta segunda-feira (10), dos sindicatos da educação superior para acabar com a greve nas universidades e nos institutos federais. Ele afirmou que a proposta do governo é “irrecusável” e que não se pode ficar em greve a vida toda por 3% ou 4%.

Em evento que anunciou R$ 4 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a educação superior, totalizando R$ 5,5 bilhões na área, Lula declarou que não há razão para a greve estar durando tanto tempo. Ele citou sua época como líder sindical, quando sempre tentava o “tudo ou nada”, e que muitas vezes ficou com “nada”.

“Eu acho que nesse caso da educação, se vocês analisarem no conjunto da obra, vão perceber que não há muita razão para essa greve estar durando o que está durando, porque quem está perdendo não é Lula, não é o reitor. Quem está perdendo é o Brasil e os estudantes brasileiros. É isso que se precisa levar em conta. Não é por 3%, 2%,, 4%, que a gente fica a vida inteira de greve”, disse.

O presidente afirmou que é preciso ter coragem para iniciar uma greve, mas também para terminá-la, porque, segundo ele, as greves têm um tempo para começar e outro para terminar. Não se pode deixar que “morram de inanição”, declarou.

“O montante de recurso que a companheira Esther (Dweck, ministra da Gestão) colocou à disposição é um montante de recursos não recusável”, afirmou.

Lula também disse que cobra de seus ministros para que as obras anunciadas na educação não demorem para ser entregues.

“Eu queria fazer um apelo para vocês. Eu cobro toda semana de Camilo: pelo amor de Deus, nós temos que começar a construir os institutos que nós anunciamos. Se não tem terreno, vamos comprar o terreno. Os reitores podem ir aos prefeitos e saber se tem prédio na cidade que a gente pode colocar um instituto”, disse.

Durante o evento no Planalto, grevistas protestaram na Praça dos Três Poderes.

Os sindicatos veem o presidente distante e abandonando o compromisso com o setor, que o apoiou nas eleições. Há frustração com o governo por “priorizar” a Proifes, única entidade que aceitou a proposta do Executivo para reajuste e reestruturação de carreira.

A Proifes publicou em seu site oficial uma explicação do porquê aceitou o acordo do governo. No texto, diz que foi a opção menos pior.

“Foi opção mais acoplada na ideia do ‘melhor do pior’, do que apostar numa negociação que não teria resultados práticos, tendo em vista que o governo já definiu — e não só para a categoria da Educação —, que o orçamento de 2024 estava esgarçado até o limite”, diz a entidade em sua página.

Segundo o Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), há 62 instituições de ensino superior federal paralisadas atualmente e mais três param nesta segunda-feira (10). Pedem reajuste e reestruturação de carreira melhores que as propostas pelo governo.

O Ministério da Gestão e Inovação, entretanto, diz que encerrou as negociações com os professores com a proposta de 15 de maio. Além dos reajustes salariais, também propôs mudanças nas carreiras. O impacto estimado é de R$ 6,2 bilhões durante este período até 2026.

Fonte: Poder360

Foto: Sérgio Lima/Poder360

 

Você pode querer ler também