ARACAJU/SE, 20 de abril de 2024 , 6:31:06

logoajn1

Machado cria comissão de trabalho com Governo para acompanhar obras na capital

Da redação, AJN1

 

O prefeito em exercício de Aracaju, José Carlos Machado, convocou uma reunião com representantes da Prefeitura Municipal de Aracaju e do governo do Estado com o onjetivo de formar comissão de trabalho relacionada às obras realizadas na capital.

 

O encontro entre os gestores foi realizado na sede da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra), na quarta-feira (20), e contou com as presenças do presidente da Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emburb), Socorro Cacho, o secretário de Estado da Infraestrutura, Valmor Barbosa, e o presidente da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), Carlos Melo.

 

 

"O prefeito João viajou e nos fez algumas recomendações e eu estou tentando cumprir as determinações. As obras que a Prefeitura executa juntamente com a Deso causam profundos transtornos à população. Tomei a iniciativa e convoquei uma reunião com o secretário de Estado da Infraestrutura, Valmor Barbosa, a diretoria da Deso e da Emurb. De pronto, foi aceita uma comissão permanente de servidores desses órgãos para acompanhar essas obras e diminuir os transtornos", colocou Machado.

 

 

A ideia de Machado foi elogiada pelos representantes do Governo que prometeram fazer parte desta comissão. Para o secretário Valmor Barbosa, o objetivo de firmar esse tipo de parceira é beneficiar a comunidade. "Essa parceria é muito importante para acabar com os transtornos causados por obras na nossa cidade e, consequentemente, melhorar o dia a dia dos cidadãos. Estamos à disposição da Prefeitura para dialogar e encontrarmos a melhor solução para população", disse.

 

Socorro Cacho aproveitou a ocasião para apresentar um dossiê sobre as obras da Deso em Aracaju. Em conversa com o presidente da entidade, Carlos Melo, Cacho exemplificou a quebra do asfalto em várias ruas da cidade, dificultando a vida do aracajuano. “Vamos analisar esse dossiê para para tomar as providências necessárias e que não voltem a ocorrer mais”, ressaltou Carlos Melo.

 

 

Você pode querer ler também